42ª Mostra Internacional de Cinema acerta nos filmes e erra na inovação

04/11/2018

A 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo começou anunciando, com entusiasmo, um diferencial: seria possível, pela primeira vez, reservar ingressos por meio de um aplicativo próprio. Assim como já acontece há alguns anos no Festival do Rio, o principal evento cinéfilo da cidade de São Paulo traria mais agilidade e conforto aos seus milhares de frequentadores. No entanto, no meio da Mostra, a organização decidiu deixar a tecnologia de lado e voltou a usar a retirada de ingressos na boca do caixa, como antes. Isso, sem dúvidas, tirou o impacto tecnológico do evento, mas não o estragou. Afinal, os filmes brilharam e, como esperado, roubaram a cena do festival.

 

A seleção deste ano contou com poucos longas realmente ruins. Dos que foram assistidos pelo Esquina, apenas Casa Dividida, O Homem que Matou Don QuixoteSem Amor Raiva não trouxeram um resultado realmente agradável -- este último, do português Sérgio Tréfaut, é o único dentre os assistidos que pode ser considerado um desastre completo. Os outros 60 filmes conferidos, dos mais de 300 disponíveis, trouxeram condições gerais que transitaram entre o mediano, o agradável e os que são obras que conseguem mesclar direção, roteiro e atuação em ótimos resultados.

 

 

O cinema nacional, por exemplo, brilhou com algumas exibições. Temporada, ainda que tenha probleminhas de ritmo, elevou a qualidade dos dramas mais profundos sobre as diferenças sociais e esquecimento. Filmaço que mereceu o prêmio que levou no Festival de Brasília e que não merecia ter perdido o Prêmio da Crítica da Mostra para Todas as Canções de Amor -- filme que, apesar de inferior, possui uma direção talentosa e uma ideia inovadora no cinema nacional contemporâneo de deixar canções nacionais conduzirem a trama. A música, aliás, também roubou a cena em filmes como InezitaClementina Simonal, estreia retumbante de Leonardo Domingues na direção.

 

Vale ressaltar, também, o filmaço Torre de Donzelas, de Suzana Lira. Importante e atual, o longa-metragem se mostrou como uma peça rara de lucidez durante o período tão obscuro no qual a Mostra de Cinema de SP se desenrolou. Mereceu o prêmio Petrobrás.

 

A Mostra também se aproximou ainda mais do público com alguns lançamentos pops e com apelo ao público em geral. Infiltrado na Klan, por exemplo, trouxe Adam Driver como o protagonista do esperado longa-metragem de Spike Lee -- e, apesar do roteiro ser rocambolesco, vence pela atualidade da discussão. O filmaço A Favorita, de Yorgos Lanthimos, e os bons Podres de RicosPoderia me Perdoar? A Casa que Jack Construiu também conseguiram criar um público à parte dentro do festival de cinema.

 

A "categoria" de filmes com mais pérolas, porém, foram as indicações estrangeiras ao Oscar e algumas produções pouco badaladas. É o caso de Culpathriller dinamarquês que transpira tensão e emoção numa trama que reverbera em Chamada de Emergência -- só que mais bem feito, é claro. Ága é uma outra produção impecável da Mostra e pouco comentada antes da abertura do festival. Escrito e dirigido pelo búlgaro Milko Lazarov, o longa-metragem é Cinema de verdade. Com C maiúsculo. Bem feito em todas suas medidas, difícil não cair nas lágrimas -- e difícil não concorrer ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Outro que entra no mesmo barco é Cafarnaum, um filme delicado e cheio de poesia que levou, merecidamente, prêmio principal da Mostra.

 

Uma pena, então, que o sistema de ingressos do maior festival de cinema de São Paulo não tenha entrado, finalmente, em seu completo funcionamento. Afinal, com o brilho completo da seleção de filmes, que teve poucas grandes derrapadas, a 42ª Mostra de Cinema de São Paulo teria sido um evento completo, quase impecável. Boa seleção de salas de cinema, boa organização, boa relação com o público -- apesar de alguns "esquentadinhos", que cismam em brigar e arrumar encrenca. E boa relação geral com a imprensa, tendo boa oferta de cabines e exibição fechadas. Ganhou pontos no geral.

 

Agora, fica a expectativa para a 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e a ansiedade de que o evento não tenha problemas com os novos tempos que se assomam no País.

 

A cobertura completa da 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo pode ser conferida AQUI.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade