Crítica: 'Amigos para Sempre' é bom remake de 'Intocáveis'

09/01/2019

O longa-metragem Intocáveis foi um sucesso absoluto de bilheteria e, rapidamente, se tornou o filme francês mais visto em todo o mundo -- vendendo cerca de 25 milhões de ingressos em salas internacionais. Não foi surpresa, então, quando começaram a pipocar as primeiras informações de que a história da amizade de um cadeirante rico e de um cuidador inexperiente ganhasse remakes e outras roupagens. O País mais rápido no gatilho foi a Argentina, com o fraquíssimo Inseparáveis. Pouca inovação, poucas mudanças. Agora é a vez dos EUA dar sua visão da história com Amigos para Sempre.

 

Sendo um remake, já fica claro que a história é, basicamente, a mesma da trama francesa. Dell (Kevin Hart) é um rapaz pobre que saiu há pouco tempo da prisão, e que tenta apenas sobreviver. A coisa muda de figura, porém, quando ele conhece Phillip LaCasse (Bryan Cranston), um milionário tetraplégico que busca alguém para cuidar de suas necessidades básicas, como alimentação, troca de roupa e locomoção. Mesmo sob os protestos de sua empresária Yvonne (Nicole Kidman), o ricaço acaba contratando Dell e dando uma nova visão de vida para o funcionário -- e vice-e-versa, principalmente.

 

Ao contrário da versão argentina, que se limitou a apenas mudar os atores, Amigos para Sempre se permite fazer algumas alterações na trama -- baseada na vida real dos protagonistas. Dell, por exemplo, passa a ter um filho, com quem precisa arcar com algumas obrigações -- na versão francesa, enquanto isso, é a mãe. Por mais incrível que pareça, faz bem mais sentido a obrigação de pai para filho. Além disso, a personagem de Yvonne, obviamente, ganha mais função na história -- não colocariam Nicole Kidman à toa ali, não é mesmo? De resto, poucas grandes mudanças. A base, então, está ali.

Como história, então, há vários pontos elogiáveis. Afinal, a trama original é muito boa. A relação entre Phillip e Dell é divertida, espirituosa e cria vínculos sinceros com a audiência. A direção de Neil Burger (DivergenteO Ilusionista) é operática, sem muita criatividade, e vai na esteira do que Eric ToledanoOlivier Nakache fizeram na versão original. A única coisa é que ele acrescenta alguns aspectos culturais, como uma música de Aretha Franklin e o uso da assistente Alexa. Outro que parece seguir uma planilha é Cranston (Trumbo), que parece preso ao trabalho feito por François Cluzet.

 

O único em cena que vai além é Kevin Hart (Jumanji: Bem-Vindo à Selva). Ainda que limitado dramaticamente, o ator consegue criar em cima de seu personagem e não fica preso ao que Omar Sy apresentou anteriormente. É sinceramente divertido e o personagem, de certa forma, evolui -- principalmente por conta da relação dele com o filho. Pena que o roteiro de Jon Hartmere fique simplório demais em alguns momentos e pareça que toda a relação familiar com Dell se resuma à dinheiro. Poderia ir além. E destaque também para Kidman (Aquaman), que se sai bem em cena quando preciso.

 

Amigos para Sempre é um filme desnecessário e que conta uma história já amplamente conhecida -- afinal, como já dito, teve 25 milhões de ingressos vendidos só fora da França. É estranha essa obsessão em recontar essa história tantas vezes. Mas, a partir do momento que se dá uma chance para ela, pode divertir de novo com novos olhares e sensações. E se esse remake abrir as portas para que mais pessoas conheçam essa história tão divertida, humana e sensível, ótimo. Talvez seja para isso que as adaptações sirvam, por mais que não façam tanto sentido num primeiro momento.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade