Crítica: 'Close', da Netflix, é filme de ação sem energia

11/02/2019

A adolescente Zoe (Sophie Nélisse) se vê milionária de uma hora pra outra. Afinal, seu pai morreu e as ações da empresa da família caem no colo da garota -- deixando a madrasta (Indira Varma) fora de si. Com todo esse dinheiro precisando ser administrado, a garota passa a contar com uma segurança mais alinhada com suas necessidades. É o momento em que a agente Sam (Noomi Rapace) entra em sua vida para protegê-la a qualquer custo no meio do Marrocos, a sede da companhia. Esta é a premissa central do longa-metragem Close, novo filme original do streaming Netflix.

 

A trama começa bem e parece ser promissora. Rapace, como já tinha mostrado em Conspiração Terrorista Onde Está Segunda?, sabe segurar cenas de ação mais intensas e tem preparo físico. Além disso, parece que a personagem de Nélisse (a protagonista de A Menina que Roubava Livros) vai ser explorada com certo mistério dentro da trama, deixando de ser apenas a garota herdeira que não gosta do dinheiro que tem e tenta ser livro. Só que tudo isso fica apenas nas intenções. A diretora Vicky Jewson (Born of War) rapidamente transforma esse bom início em algo convencional.

Primeiro ponto: a trama, que parece vir a cavalgadas no início, desacelera e perde toda a emoção. A primeira cena de ação envolvendo Rapace e Nélisse acontece só com meia hora de filme. Antes disso, só um blá-blá-blá sem muita função dentro da narrativa escrita por Rupert Whitaker (Born of War) e pela própria Jewson, fazendo com que tudo ali se torne chato. A expectativa com a ação vai crescendo cada vez mais. E aí vem o segundo problema de Close: as cenas de luta e de fuga, ao contrário do esperado, são mal dirigidas com excesso de câmera tremida. Fica difícil acompanhar tudo ali na tela.

 

As reviravoltas inseridas também são óbvias -- há uma primeira que a própria sinopse revele, mas que Jewson insere na história com pompa de algo surpreendente; e uma segunda que qualquer um conseguiria adivinhar. Não há nenhum elemento que resgate o espectador de um mar de clichês e falta de energia. Nem fotografia, nem design de produção, nem atuações. Afinal, Rapace parece estar no automático, apesar de umas duas cenas emocionantes. É uma grande atriz numa péssima produção. E Nélisse até que corresponde ao exigido, mas falta ali. É uma personagem muito artificial e sem vida.

 

Close, assim, deve agradar um público extremamente específico, que busca ação sem exagero de cenas de tiro, gritos e correria, mas que também não espera uma boa história. Outros públicos vão apenas ter duas reações: ficar impassível, vendo um tipo de entretenimento vazio, ou se irritar com essa produção mequetrefe. Uma pena que a Netflix continue investindo seu dinheiro em produções tão fracas e sem vida, enquanto poderia estar fazendo coisas realmente boas. Pena, também, que Noomi Rapace ainda não tenha se encontrado nos últimos anos. Uma grande atriz que precisa de seu lugar.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade