Crítica: Com Kéfera, 'Eu Sou Mais Eu' é comédia nostálgica e clichê

22/01/2019

Kéfera, que nasceu no YouTube e se tornou uma das principais influenciadoras digitais no País, começou a alçar voos fora da internet em 2016, quando protagonizou o obscuro longa-metragem O Amor de Catarina. Foi uma espécie de teste pra ver se funcionava nos cinemas. Alguém gostou e Kéfera não parou mais de protagonizar produções para as telonas: depois veio É Fada!Gosto Se Discute e, agora, a nova comédia brevemente biográfica Eu Sou Mais Eu, que discute os efeitos do bullying na vida dos estudantes.

 

A trama acompanha a vida de Camilla (Kéfera Buchmann). Atualmente, ela é uma cantora pop de muito sucesso -- uma espécie de Anitta -- e esnoba todo mundo ao seu redor. Os fãs, o namorado, a família, antigas colegas de escola. Até que uma espécie de fã com algum poder mágico a envia para o passado. Mais especificamente para 2004, quando Camilla é uma estudante destrambelhada do Ensino Médio, melhor amiga do Cabeça (João Côrtes) e alvo dos insultos da patricinha Drica (Giovanna Lancellotti).

 

Presa nesse passado recente, ela precisará encontrar um meio de quebrar o encanto da fã, redescobrir sua essência e, assim, conseguir voltar a ser o sucesso que ela é.

 

A trama do filme, escrita pela dupla L.G. Bayão (O Doutrinador) e Angélica Lopes (Divórcio) é óbvia e nem um pouco original. Parece que cineastas e roteiristas ao redor do mundo não conseguem escapar da fórmula de contar histórias sobre pessoas que sofrem bullying. São os mesmos tipos ao redor do protagonista: o amigo que é bobalhão, a patricinha bonita e malvada, as amigas que parecem não reagir, a família que não enxerga os problemas. São as mesmas questões, as mesmas figuras, as mesmas situações que já foram vistas e que, agora, se adapta ao ano de 2004 no Brasil.

Além disso, há uma mensagem de aceitação própria que é interessante e que até funciona. No entanto, há contradições no meio do caminho e o final um pouco agridoce.

 

A direção do talentoso Pedro Amorim (Divórcio) consegue elevar um pouco o nível do longa-metragem no geral. Ele sabe inserir alguns elementos nostálgicos, ainda que alguns deles venham em doses exageradas, para tornar a trama mais atraente para vários públicos -- o funk Melô da Popozuda e Ragatanga, do Rouge, possuem uma força tal qual uma máquina do tempo. É divertido, também, alguns elementos que Amorim insere ao longo da trama. Pontos também para o departamento de direção de arte.

 

Alguns dos arcos e subtramas de Eu Sou Mais Eu também funcionam. Todos envolvendo Arthur Kohl (O Mecanismo) e Flávia Garrafa (O Candidato Honesto 2) transitam entre o divertido e o emocionante. A dupla de atores funcionam bem, mesmo quando o filme não tem um bom roteiro. João Côrtes (O Segredo de Davi) e Giovanna Lancellotti (Tudo por um Pop Star) se esforçam, mas não saem do lugar. Seus personagens são rasos demais para algum voo longo. E Kéfera mostra uma clara evolução desde Gosto se Discute, mas ainda não conseguiu achar o tom ideal de suas atuações. Fica demais.

 

De resto, o longa-metragem tem pouco a dizer. A mensagem geral é batida e quem ler a sinopse do filme já sabe como ele irá terminar no instante seguinte. E há poucas recompensas para que o público enfrente esses 90 minutos de projeção com alegria e um sorriso no rosto. A nostalgia pode agradar. A simples presença de Kéfera para fãs. E as músicas, que agradam. Mas os que buscam boas risadas, um roteiro inteligente e fora da caixinha e boas atuações vai se decepcionar e encontrar um mais do mesmo sem muita empolgação. Kéfera ainda precisa encontrar seu caminho nos cinemas.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade