Crítica: 'Perdi Meu Corpo', da Netflix, é animação singela e emocional

29/11/2019

Logo na primeira cena de Perdi Meu Corpo, o espectador se depara com uma pessoa com a mão decepada. Há sangue para todo lado e uma mosca ronda o membro perdido. É a partir disso que o cineasta Jérémy Clapin, estreante em longas, começa a contar a história daquele rapaz sem mão -- desde a infância, passando por momentos complicados da vida e chegando até a jornada da própria mão, separada do seu corpo.

 

O longa-metragem, assim, não é uma animação convencional. Separada em três tempos, a narrativa se amontoa e mostra as suas interessantes ramificações. Cada uma delas evocando emoções diferentes: na vida adulta do rapaz, há romance e drama; com a mão procurando seu corpo, uma interessante aventura; e na infância, uma nostalgia em preto e branco que exibe o protagonista, Naoufel, em sua melhor forma até ali.

 

Premiado em Cannes, Perdi Meu Corpo segue a linha de animações como AnomalisaChico & RitaWaking Life. Os traços do desenho não são a principal preocupação. O que vale é a história, que consegue transcender a tela e atingir o espectador de maneira direta e introspectiva. A trama de Naoufel, afinal, é o retrato da vida adulta, de quem chega ao mundo sem ter caminhos e sem qualquer tipo de ajuda.

O mais interessante do filme, porém, é a mistura de emoções. Como destacado anteriormente, as três ramificações da história geram diferentes sensações. O romance de Naoufel com Gabrielle, nascido de uma conversa pelo interfone, é improvável e delicioso. As aventuras da "mãozinha" abraçam o surrealismo e empolgam. O drama do protagonista, assim como suas memórias, despertam o lado humano e sentimental.

 

Tudo isso, surpreendentemente, chega ao espectador com evidente naturalidade. Nada é atropelado, nada aparece na trama de supetão -- até o humor que surge aqui e ali.

 

A dublagem em francês traz um charme e os atores compreendem bem seus papéis. O estreante Hakim FarisVictoire Du Bois (Me Chame Pelo Seu Nome) fazem trabalhos interessantes como Naoufel e Gabrielle, respectivamente. Destaque, também, para o veterano e talentoso Patrick d'Assumçao (Um Estranho no LagoNormandie Nua). Ele aparece pouco como tio Gigi, mas ajuda a injetar força e vitalidade ao longa-metragem.

 

Uma pena, porém, que o final seja tão anticlimático. Depois de uma série de bons momentos, e de uma metáfora bem encaixada, Perdi Meu Corpo acaba caindo numa conclusão óbvia e sem muito charme -- além de não deixar claro algumas coisas. Falta experiência para Clapin fazer um encerramento digno do restante do longa-metragem. O anticlímax, infelizmente, acaba derrubando as sensações e emoções entregues.

 

Mas, vale ressaltar, esta sensível animação da Netflix é uma surpresa grata. Bem realizada, apesar da simplicidade dos traços, Perdi Meu Corpo traz uma história singela, elegante e muito original. Que mais filmes assim cheguem ao serviço de streaming. Afinal, o mundo está precisando de mais emoção como a provocada neste longa.

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade