Crítica: 'Sex Education', da Netflix, é série divertida e relevante

14/01/2019

Atualmente, no Brasil, discute-se muito a questão do ensino sobre sexualidade nas escolas. Alguns chamam isso de "ideologia de gênero", outros de "sexualização de  nossas criancinhas". Mas o fato é que o ensino sobre sexo e suas questões é essencial para que uma sociedade amadureça, encontre sua identidade e evite conflitos de gênero e coisas do tipo. Falando sobre sexo, de maneira aberta e franca, é que se aprende sobre sexo. Não é fazendo, não é em casa, onde o tabu impera. É na escola, na aula.

 

A série Sex Education, produção inglesa original da Netflix, mostra essa questão de uma maneira aberta, divertida e que ressalta a importância sobre a discussão de sexualidade, seja da maneira que for. Na trama, acompanhamos Otis (Asa Butterfield), um garoto que lida com a sexualidade desde pequeno. Afinal, sua mãe Jean (Gillian Anderson) é sexóloga e sempre tratou o tema de maneira aberta. Quando o rapaz vê que seus outros colegas não sabem lidar com a questão, então, ele decide abrir uma "clínica" na escola para falar sobre temas como gênero, sexualidade, tabus, sexo e afins.

 

Para isso, porém, ele conta com a ajuda da descolada Maeve (Emma Mackey, que é a cara da Margo Robbie) e do amigo gay Eric (o excelente Ncuti Gatwa, que rouba a cena).

 

Até o terceiro episódio, mais ou menos, os diretores Kate HerronBen Taylor lidam com uma trama que parece não deslanchar e recheada de estereótipos batidos. A mãe de Otis, por exemplo, começa de maneira chatíssima. É muito segura de si, nada a abala, nada atrapalha sua jornada. Eric é o estereótipo do amigo gay, sempre feliz, alegre, de bem com a vida. Nem parece ligar para piadas que fazem nos corredores envolvendo um acontecimento em público na escola que acabou entrando para a história de alunos.

 

Aos poucos, porém, o quinteto de roteiristas da série, guiados pela criação de Laurie Nunn, vão criando uma trama extremamente complexa onde até personagens secundários ganham camadas cheias de dúvidas, questões, inseguranças, medos e angústias. A personagem da mãe passa a ter dois lados -- todos eles ótimos de ver e acompanhar. Eric, enquanto isso, se torna a alma da série, apesar da jornada de Otis e  Maeve também ser atraente. Mas o amigo gay tem um desenvolvimento tão real, forte e humano que é difícil não embarcar na história e sentir uma forte empatia pelo rapaz.

O melhor da trama, porém, é que Sex Education está ali também para colocar tabus na tela, discutir questões atuais sobre a sexualidade e refletir sobre como o tema é tratado. Enquanto países como o Brasil buscam retirar a discussão das salas de aula, a produção original da Netflix escancara a importância da discussão. Espectadores mais velhos, aliás, devem se chocar como alguns temas são tratados pelos roteiristas, como o envio de nudes sem consentimento e masturbação. É claro, sem tabus, sem receios.

 

A ambientação, típica de escolas americanas como já foi visto em Clube dos Cinco e afins, também tem clichês revertidos a toda hora. É interessantíssimo de assistir isso.

 

Vale ressaltar que a trama poderia cair no ridículo ou no absurdo se não fosse o elenco, extremamente afiado e afinado. Asa Butterfield, mais conhecido no cinema por conta de A Invenção de Hugo Cabret Ender's Game, assume um papel difícil de um garoto que é virgem mas que, por conta da profissão da mãe, sabe mais sobre sexualidade do que qualquer outro. E vai muito bem. Melhor ainda é o relacionamento do personagem dele com Maeve, muito bem interpretada por Emma Mackey. Ela é a que mais parece unidimensional, mas possui uma forte carga interpretativa para elevar os sentimentos.

 

Mas a série é do estreante Ncuti Gatwa, que possui um desenvolvimento forte, extremamente brusco, mas que faz muito sentido por conta da interpretação. Vai longe.

 

Alguns personagens secundários também ajudam a ditar um ritmo mais leve para a narrativa, evitando que ela fique totalmente centrada em dramas humanos sobre sexualidade adolescente. A personagem Aimee (Aimee Lou Wood), por exemplo, é uma das mais divertidas da produção e traz algumas discussões divertidas, relevantes e interessantes. Sex Education, dessa maneira, atinge um grau difícil, que junta roteiro inteligente, entretenimento bobinho e uma vontade desesperadora de maratonar tudo.

 

Assim, a produção britânica mostra que a Netflix saiu de um momento em que os principais acertos são tramas complexas, como House of Cards, heróis da Marvel e coisas do gênero. Seus melhores produtos agora são séries aparentemente banais e muito realistas, como Atypical e, mais recentemente, Você. Menos é mais. E Sex Education, que chega sem grandes pretensões, mas com uma grande história, é mais uma prova disso. É uma trama banal e divertida, mas que traz algumas boas reflexões que fazem sentido em qualquer lugar do mundo. Que venha mais temporadas.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade