Filme com Kéfera e ‘Borg vs. McEnroe’ chegam aos cinemas

09/11/2017

Novembro está se mostrando como um mês plural para os cinemas. Depois da sua primeira semana ser recheada de filmes de todos os gêneros, a segunda semana de estreias volta a apresentar histórias para todos os públicos e para todas as idades. Uma comédia nacional com a youtuber Kéfera, um outro filme sobre uma briga de tênis, um belo filme argentino e dois ótimos dramas nacionais

 

Esquina, então, reuniu as principais estreias da semana e consolidou, em cada um dos filmes, o que a imprensa fala de melhor --  e, claro, o que fala de pior. Além disso, clicando nos títulos de cada um dos filmes, você ainda consegue ler mais sobre o filme no site do IMDB e, ao clicar nas frases destacadas em negrito e em azul, você é redirecionado para as críticas completas do Esquina e de outros sites, jornais e revistas.

 

Amor e Tulipas

Holanda, século XVII. O artista Jan van Loos (Dane DeHaan) é contratado para pintar o retrato do casal Sandvoort e imediatamente se apaixona pela jovem esposa do rico comerciante, Sophia (Alicia Vikander). Completamente envolvida no tórrido romance e cansada da existência infeliz ao lado do marido, ela decide fugir de casa para viver o amor. O Cine Addiction não gostou do resultado. "O talento de Alicia Vikander é completamente mal utilizados numa história que, no geral, é pobre e cujo parceiro, Dane DeHaan, se revelou extremamente fraco no desempenho do seu papel", disse.

 

Borg vs McEnroe

A preparação dos tenistas Björn Borg (Sverrir Gudnason) e John McEnroe (Shia LaBeouf) para a final de Wimbledon, em 1980. Enquanto o primeiro, sueco, tido como técnico e calculista, sofre a pressão de defender o título do torneio pela quinta vez consecutiva (um feito inédito); o segundo, norte-americano, vai ter que superar o próprio temperamento explosivo para mostrar que é capaz de chegar ao topo do mundo no esporte. O Adoro Cinema não aprovou o filme. "Bem filmado, Borg vs McEnroe falha em criar empatia entre o público e seus protagonistas", afirma.

 

Gosto se Discute

Augusto (Cássio Gabus Mendes) é o chef de um restaurante requintado, mas que está em baixa devido ao sucesso de um food truck numa praça em frente ao estabelecimento. Devido à situação, o banco, que é sócio do restaurante, indica a rigorosa Cristina (Kéfera) para ser a gerente. Os dois batem de frente, já que ela deseja alterar a rotina do local para torná-lo rentável. Só que, em meio à pressão em criar um novo cardápio, Augusto passa a ter uma síndrome que faz com que perca o paladar. O Esquina viu o filme e reprovou o resultado: "tentam criar situações implausíveis e a personagem de Kéfera, que está péssima, tem um arco artificial que não deve convencer nem aos seus fãs."

 

Invisível

Ely é uma jovem de 17 anos que vive com sua mãe  em um pequeno apartamento. Ela mantém uma relação distante com a mãe e leva uma rotina pesada, se dividindo entre as atividades domésticas e o trabalho num pet shop. Tudo muda quando ela descobre que está grávida de Raúl, bem mais velho, casado e seu chefe. Consumida pela angústia, a jovem terá que fazer uma difícil decisão: fazer ou não um aborto. O Esquina aprovou: "apesar de lento em algumas partes, Invisível constrói um novo olhar sobre o aborto." Já o Adoro Cinema achou o filme razoável. "Invisível é um filme cuja história soa simples mas que possui um refinamento narrativo que é mais interessante conceitualmente do que na prática."

 

Olhando para as Estrelas

Geyza é uma jovem como todas as outras, que batalha para vencer na vida. Professora e dançarina, ela é a primeira bailarina da Associação Fernanda Bianchini, a única escola de balé para cegos do mundo. Enquanto se divide entre os preparativos para o seu casamento e as preocupações de ser uma boa profissional, noiva e amiga, ela lida com Thalia, uma de suas alunas adolescentes, que deseja ter cada vez mais autonomia. O Esquina aprovou o resultado deste belo documentário nacional. "O filme intercala as histórias, sem nunca ficar cansativo, e consegue emocionar pela pureza e inocência de seus relatos. Apesar de uns errinhos, é indispensável".

 

Vazante

Outro filme nacional na lista. Este, por sua vez, provocou muita polêmica quando foi apresentado no Festival de Brasília -- já que algumas pessoas alegaram que o filme tem um viés racista. A história se passa no início do século XIX. Em uma fazenda imponente e decadente, situada na região dos diamantes em Minas Gerais, brancos, negros nativos e recém-chegados da África sofrem com os conflitos e a incomunicabilidade gerada pela solidão e pelas tensões raciais e de gênero em um país que passa por um forte período de mudança. O Esquina, porém, gostou do filme. "O filme é deslumbrante, só para começar com um adjetivo um pouco batido. Um belo exemplo do pleno domínio do exercício de direção.'

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade