Lista: 5 músicas para conhecer a obra de Tim Maia

20/08/2017

Tim Maia nunca foi um músico de seguir padrões. Fazendo apenas o que bem entendia, o “síndico” da MPB dava bronca nos músicos em cima do palco, incrementava as melodias do jeito que achava melhor e ia apenas em shows que lhe interessavam e os que davam tempo -- fazendo até que suas ausências em espetáculos se transformassem em verdadeiros eventos.

 

Ao observar atentamente a sua discografia, essa metamorfose constante o acompanhou na música. Suas composições tinham movimento, eram de momento. Em uma época mais religiosa, e com ligações metafísicas, Tim Maia apostou nas composições “racionais”. Em outras, sua vibe era mais dançante, animada. Era disco. Em outras, enquanto isso, reinava a melancolia.

 

Por isso, para quem não conhece Tim Maia, é tarefa difícil entrar nas suas mais profundas camadas. É difícil desbravar seus trabalhos e separar Azul da Cor do Mar de Coroné Antonio Bento. São trabalhos vindos de uma mesma mente criativa, mas que apresentam resultados diferentes. O Esquina, então, separou 5 músicas para ajudar os novatos a entrar na vida e  carreira de Tim Maia. Boa sorte!

 

Imunização Racional (Que Beleza)

 

“Uh! Uh! Uh! Que beleza” é o refrão de Imunização Racional, principal composição de Tim Maia em sua fase religiosa e metafísica. Enquanto a melodia tem um ritmo mais lento e cadenciado, a letra escapa para a metáfora e para a exaltação da natureza. Interessante para entender esta fase sombria, e pouco conhecida, de Tim Maia. Destaque ainda para Energia Racional.

 

Gostava Tanto de Você

 

Gostava Tanto de Você se tornou a principal música da carreira de Tim Maia, ultrapassando Não Quero Dinheiro e Azul da Cor do Mar. Aqui, é possível ver o lado poeta do carioca: aqui, a letra se sobrepõe à melodia. A emoção pulsa em cada nota, em cada verso cantado com a força vocal de Tim Maia. É emocionante do começo ao fim, até o último soar dos instrumentos.

 

A Rã

 

Inteiramente instrumental, A Rã é um dos maiores sucessos na carreira do músico acreano João Donato. Tim Maia, então, pegou a instrumentalização, inseriu uma letra -- divertida, de ares abstratos -- e fez essa bossa. Não é a obra prima do cantor carioca, mas é uma delícia de ouvir. Além disso, mostra um lado pouco conhecido de Tim, compositor criativo e fã de bossa nova.

 

Do Leme ao Pontal

 

Extremamente popular, Do Leme ao Pontal faz sucesso com o refrão “tomo Guaraná, suco de caju, goiabada para sobremesa”. Aqui, é possível ver a faceta mais disco de Tim Maia: a letra é pouca, mas o ritmo se espalha ao longo de toda a composição. No final, difícil não cantarolar os versos em questão ou, ainda, ficar com a melodia presa na cabeça.

 

Coroné Antonio Bento

 

Outra música que não é de Tim Maia, mas vale entrar na lista pela “presença de espírito” do carioca. Ele pegou uma canção esquecida no tempo, Matuto Transviado, e a adaptou livremente. Mexeu na melodia e ainda mudou o nome da música, chamando-a de Coroné Antonio Bento. O sucesso foi instantâneo e a canção, repaginada na voz de Tim Maia, foi um dos principais destaques do álbum Tim Maia, de 1970, um dos mais importante de sua carreira.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade