Maria Alcina resgata canções esquecidas de Caetano Veloso

27/06/2017

Maria Alcina nunca foi uma cantora de lugares-comuns. Filha legítima do Carnaval e da Tropicália, a mineira sempre se arriscou e ousou. E não apenas em seu visual colorido e espalhafatoso, como também na interpretação de suas músicas, sempre com toques modernos e arranjos corajosos de quem não tem medo de errar. Agora, aos 68 anos, Alcina mostra que a sua ousadia continua como

era em outros tempos. Afinal, cantora acaba de lançar Espírito de Tudo, disco que reúne parte das principais canções underground de Caetano Veloso.

 

Dentre as dez faixas no disco, nenhum espaço para SozinhoLuz de Tieta ou O Leãozinho, que são sempre o carro-chefe em discos que prestam homenagem ao baiano. Nada disso.  No lançamento de Alcina, a música mais popular talvez seja Tropicália, já que foi tema recente da  novela das oito, Velho Chico. De resto, apenas músicas com temáticas pesadas, difíceis  e com letras que ficam no limite do poética,beirando protesto social. Língua, por exemplo, é uma mistura de rap com crônica. Tudo misturado, em uma espécie de homenagem ao idioma.

No entanto, mesmo com a narrativa pesada de Língua, a música não choca tanto quanto O Estrangeiro O Mais Doce dos Bárbaros. São letras fortes, carregadas de sentimento e protesto. E tudo fica ainda mais intenso e impactante com a voz imponente de Maria Alcina, que se entrega totalmente ao trabalho no disco. Nada mais emblemático do que escutar Alcina entoar os versos ácidos de Gênesis, que tem verso que dá nome ao novo disco da cantora mineira.  Faz lembrar os tempos das músicas de protesto, algo que está em falta nos dias de hoje.

 

E apesar da força de A Cor Amarela, Rock'n'Raul e Fora da Ordem, outras canções do álbum, sem dúvidas a principal interpretação de Espírito de Tudo está em Tropicália, talvez a mais pop das cações por um motivo já explicado acima. Ouvir a voz imponente e interpretação rasgada da cantora entoar versos como o "Sobre a cabeça os aviões/ Sob meus pés os caminhões/ Aponta contra os chapadões/ Meu nariz" é de arrepiar. Faz valer o preço do disco e refresca a música, que ganha contornos e significados novos no atual momento brasileiro.

 

Por fim, importante ressaltar a ousada produção musical, que mistura elementos clássicos, como o samba, com batida eletrônica, assim como foi feito no inesquecível De Normal Bastam os Outros, de 2015, e que reviveu Maria Alcina na cena musical brasileira, além de lançar novos clássicos na música brasileira, como Eu Sou Alcina. e De Normal. Músicas que resgataram a alegria da cantora e relembraram as pessoas de sua importância.

 

Espírito de Tudo é um disco necessário, vibrante e que causa a real sensação de que Alcina é uma cantora que se transforma, evolui, avança. Não fica parada no tempo e consegue manter toda sua essência em versos ousados, performáticos e imponentes. Sem dúvidas, um dos melhores discos da MPB de 2017.

 

 

 

 

 

 

Nome do disco: Espírito de Tudo

Artista: Maria Alcina

Ano: 2017

Faixas: 10

Preço sugerido: R$ 19,90

Disponível no streaming

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade