Rodrigo Marconi lança CD inspirado na literatura mundial

27/03/2019

O que é se corresponder? No mundo das artes, mais do que manter um canal de comunicação, a correspondência é o diálogo, a troca de experiências e a difusão de um ou mais conhecimentos adquiridos. Assim, é extremamente pertinente o título Correspondência, primeiro álbum do compositor e instrumentista Rodrigo Marconi. Com seis obras divididas em 15 faixas, o disco transita entre o erudito e a literatura mundial.

 

"Sempre tive uma relação muito profunda com diversas expressões artísticas", disse o músico carioca em entrevista ao Esquina. Em uma das faixas, Golpes de Pequenas Solidões, há um claro diálogo com a obra do escritor e filósofo Roland Barthes -- tudo por meio de flauta, clarinete e vibrafone. Já na elegante Brechtianas, prestam uma bela e justa homenagem ao poeta, dramaturgo e encenador alemão Berthold Brecht.

 

É, enfim, um delicado disco, para ser ouvido com calma, com um livro nas mãos, apreciando o passeio das notas de Marconi pelas páginas da História dos livros. É a conversa entre duas artes, primais e essenciais, de sua forma mais bela, complementar.

 

Abaixo, confira a conversa do Esquina com o compositor e instrumentista carioca. Para ouvir o disco, só ir no Spotify ou no Deezer.

 

Esquina da Cultura: De onde veio a inspiração para o álbum?

 

Rodrigo Marconi: Sempre tive uma relação muito profunda com diversas expressões artísticas: cinema (fiz trilhas vários filmes), teatro (como compositor e professor de música da escola de mais antiga na América Latina: a escola de teatro Martins Penna), além de uma admiração pela fotografia e uma paixão por literatura. De forma que essas paixões dialogam e permeiam, mesmo sem querer, a minha atuação como compositor.

 

Esquina: O disco possui uma forte interação com a literatura. Como fazer com que o diálogo entre a música e as letras seja sutil, mas ao mesmo tempo perceptível ao ouvinte?

 

Rodrigo: É uma tarefa com complicada tentar transportar para os sons o discurso literário. Diria ser impossível. Mas a literatura permeou a cabeça e coração de uma série de compositores que produziram óperas, canções e poemas sinfônicos. No meu caso a literatura serve de alimento e de um start para o desafio de encher de sons um espaço e de dialogar com o público.

 

Esquina: Quais são os desafios de fazer música erudita no Brasil de hoje? Como alcançar todos os espectros da sociedade?

 

Rodrigo: Fazer música erudita, acredito que em vários países, é um desafio gigantesco por várias razões: essa música não virou um produto de entretenimento e não é absorvido pela indústria cultural. O compositor Willy Correia de Oliveira chegou a afirmar que a música de concerto não presta ao capitalismo. Ela tende a ser mais exploratória, propondo e produzindo uma nova estética. Um risco muito maior que os clichês oferecidos para a população pelas gravadoras e multinacionais. 

 

Esquina: Quais são seus planos após o disco?

 

Rodrigo: Estou acabando de escrever uma ópera sobre a poetisa portuguesa Florbela Espanca. Deve estrear ano que vem. Além disso, comecei uma parceria com o guitarrista Marcio Okayama e escreverei uma série de 20 pequenas peças para guitarra elétrica baseada nos tratados da eloquência do corpo escrito no século XV!

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade