• Matheus Mans

'Queremos que a história seja realista', diz Fábio Porchat sobre 'Homens?'



A série Homens?, que terá uma nova leva de episódios a partir de terça-feira, 14 de abril, fala sobre os mais diversos assuntos sobre o comportamento masculino. Impotência sexual, relacionamentos abertos, novas práticas sexuais, a relação com seu corpo. Ao mesmo tempo, a série traz o clássico olhar ácido e sagaz de Fábio Porchat, que é um dos roteiristas e criadores.


"Queremos ser o mais realista possível", disse Porchat, durante uma curiosa coletiva de imprensa digital. "É uma comédia. Você vai rir, vamos falar coisas escrotas. Aquilo tudo que você espera. Não podemos dar uma aula sobre para os homens sobre o que é ser escroto. A ideia é que ele assista e entenda a partir do que falamos. Colocamos um remédio ali no meio".


E, de fato, isso que Porchat fala dá para ser sentido. A trama acompanha a vida de um grupo de amigos que está sempre falando besteira, bebendo e se gabando de suas conquistas sexuais. No entanto, um deles fica broxa. A partir daí, essa versão masculina de "Sex and the City" começa a explorar as relações masculinas, falando sobre sexualidade, medos, tabus, dores e angústias.


Na segunda temporada, que estreia um ano após a primeira leva de episódios, nada mudou. Afinal, apenas um dia separa o último episódio desta história ainda inédita. Não teve tempo para que os personagens amadurecessem e vivessem de acordo com o que aprenderam em vivências e histórias anteriores. Tudo ainda é muito imediato e certas coisas ainda estão frescas.


Mas o produtor e diretor Tiago Worcman afirma que outras coisas se transformaram. "A série teve um amadurecimento muito legal. A história ficou mais madura, ao contrário dos personagens. Eles permanecem os mesmos", diz ele, que é vice-presidente sênior e executivo da MTV, Comedy Central e Paramount Channel para a América Latina. "O texto ficou ainda melhor".


História


Nesta segunda temporada, a história também passou por algumas transformações. Raphael Logam e Lorena Comparato, por exemplo, tiveram que diminuir a intensidade das gravações por conta de seus papéis na série Intrusos. No entanto, Porchat e o diretor Johnny Araújo (de Chocante e Legalize Já!) garantem que houve uma ampliação nas histórias que são ali contadas.


"Na primeira temporada, nos concentramos muito na figura do personagem do Porchat. Agora, fomos além", explica Araújo. Além disso, não há receio em abordar assuntos espinhosos. "A gente fala de tudo. De aborto à fio terra", diz Porchat. "Podem parecer bobagens, coisas muito pequenas. Mas, no final das contas, é um monstro para o homem. E é importante falar disso".


Vocalizando todas essas dores masculinas, aliás, está Rafael Portugal. O ator, também do Porta dos Fundos, faz a figura de um pênis, como se fosse a consciência dos personagens. Algo parecido com o que acontece em Big Mouth, em que os personagens adolescentes se veem confrontados pelos monstros da testosterona. Aqui, Rafael dá vazão à diferentes pensamentos.


"É muito legal interpretar um pênis", disse o ator, que está em evidência por conta de seu quadro no reality Big Brother Brasil 20. E ele ainda conta uma experiência: "fizemos uma cena numa praia. Eu, vestido de pênis, no meio de uma praia, às seis horas da manhã. Levamos horas para gravar. Um monte de gente gritava quando via um pinto andando na areia. Vale muito a pena".

#Matéria #Reportagem #Televisão #Entrevista #Coletiva #Série