• Matheus Mans

Premiada HQ sueca, 'Alena' mescla horror e romance em doses certas


A adolescência é onde passamos por todas as provações. É a época da vida onde conhecemos o amor, a frustração, o medo, o bullying, a descoberta sexual. São coisas inerentes da vida e que é impossível escapar. E são estes elementos que permeiam a história em quadrinhos sueca Alena, que acaba de desembarcar no Brasil pela editora AVEC. No entanto, não leia a HQ se você espera apenas um drama colegial: a história é repleta de elementos sobrenaturais, violência gráfica e, é claro, terror psicológico.

Escrita pelo sueco Kim W. Andersson, a HQ acompanha a história de Alena, uma menina que não consegue se misturar com os outros colegas em sua escola. Afinal, ali, a sua vida se transformou em um inferno. As garotas populares dali praticam bullying de maneira constante, resultando até mesmo em agressões físicas, enquanto os diretores da escola não conseguem socializá-la. É um pesadelo. Afinal, a única pessoa que está ao seu lado é a amiga Josefin, determinada a não deixar que ela continue a sofrer.

O grande problema da aliança entre as duas, porém, é que Josefin já está morta. Há mais de um ano. E é a partir daí que Andersson consegue tecer uma trama que mistura toques de Kill Bill e Carrie, a Estranha, regulando doses exatas de violência, horror e, até mesmo, um certo romance juvenil. Tudo sem exageros e sem deixar o leitor saturado de nenhum tipo de gênero, tornando a leitura mais agradável e cadenciada. No final, as mais de 150 páginas passam voando, com um forte ritmo cinematográfico.

Além disso, o desenho de Andersson, com claras referências à traços orientais e em uma clara evolução de suas produções anteriores, como a elogiada Love Hurts, ainda inédita no Brasil, mas que já pode ser encontrada, em inglês, em sites estrangeiros. Aqui, os traços são mais firmes e a violência está mais explícita, com traços voltados ao gore. São desenhos originais, ousados e que deixam qualquer fã de quadrinhos obcecado em apreciar um pouco mais da obra do quadrinista sueco.

O grande ponto alto da HQ, porém, é o final. Sem revelar spoilers, a conclusão da história de Alena mantém todos elementos que a edificaram ao longo da história, como o terror, a violência e todo o drama adolescente. No entanto, em sua conclusão, Alena traz novos temas à tona e cria uma certa reviravolta que fará os leitores encararem toda a história de um jeito diferente.É ousado, criativo e consolida a Suécia como um dos principais polos de produção de literatura -- seja de livros ou de quadrinhos.

Obs.: E se nada disso te convenceu a ler Alena, saiba que a HQ venceu o The Adamson Statue, um dos prêmios mais prestigiados de quadrinhos da Suécia.

Título: Alena

Autor: Kim W. Andersson

Editora: AVEC

Ano: 2016, no Brasil.

Preço médio: R$ 49,90

Link para compra na Amazon: amzn.to/2u4r7NR

#Quadrinhos #HQ #Crítica