• Domenico Minervino

'Quem é JonBenet' aguça curiosidade com trama original


É documentário ou filme? São atores interpretando ou pessoas da vizinhança dando depoimentos? Qual história apresentada é verdadeira? Parece difícil, mas não é. Após alguns minutos, pega-se o fio da meada dessa obra inovadora e original produzida pela Netflix e disponível aos assinantes no fim de abril com o nome de Quem é JonBenet.

Então é melhor explicar do que se trata. Vamos lá: JonBenét Patricia Ramsey era uma menina de apenas seis anos que foi morta em 1996, em sua casa em Boulder, Colorado. Até hoje, vinte anos depois do ocorrido, o caso não teve uma solução concreta. Não se sabe quem matou a menina ou qual a motivação. Ninguém descobriu os motivos para o crime, nem ao certo como ele ocorreu.

É com todas essas dúvidas e incertezas que a obra cinematográfica é produzida. Destrinchando-a, percebe-se que é um documentário, mas diferente. Em meio a relatos, encenam-se atos possíveis para uma reconstrução do crime. E esses relatos partem de pessoas comuns da região, atores ou não, que estão fazendo um teste de elenco.

O espectador, então, acaba vivenciando primeiramente as experiências desses indivíduos e como eles foram afetados com a morte da menina norte-americana. Passo a passo, pequenas cenas são apresentadas para, no final, em um grande bloco fílmico, tentar chegar a uma solução para o que realmente aconteceu com a criança e saber como ela morreu. Estrangulada? Violentada? Foi o pai, a mãe, o irmão ou alguém de fora?

Parece algo simples escutar cada fala presente na obra. Mas a simplicidade é o anzol para fisgar quem está assistindo. A construção e montagem de Quem é JonBenet são tão perfeitas que aguça a curiosidade. Intricado, o documentário chega ao ápice justamente no último bloco, onde todos os candidatos aos papéis de pai, mãe, filha e filho atuam conjuntamente. Sim, eu disse todos, em uma grande e belíssima cena.

Mesmo assim, eu ainda não cheguei a uma conclusão de quem a matou. E você, saberá me dizer?

#Netflix #Filme #Crítica #Cinema #Documentário #DicasdeStreaming