Buscar
  • Matheus Mans e Bárbara Zago

Confira quais são os 10 piores filmes de 2017


O ano de 2017 trouxe muitas coisas boas para o cinema, como Mãe!, Baby Driver e A Ghost Story -- e uma série de outros filmes que falamos na outra lista aqui do Esquina. No entanto, também chegaram muitas coisas ruins aos cinemas. Seja do gênero que for, não faltaram filmes com clichês do começo ao fim, tramas piegas ou qualidades técnicas que causam vergonha e constrangimento.

Para reunir tudo isso em uma lista de piores do ano, o Esquina decidiu usar sua própria metodologia. Ao invés de ir com o coração, avaliamos cinco pontos: originalidade, qualidade técnica, história, atuações e caráter mobilizador. Assim, de nossa seleção inicial com cerca de 20 títulos, ficamos apenas com as menores médias -- que estão explicadas em cada um dos filmes.

Mas chega de enrolação! Vamos ao ranking. E não deixe de escrever seu comentário com a sua opinião.

10.

Título: Boneco de Neve

Direção: Tomas Alfredson

Elenco: Michael Fassbender, Rebecca Ferguson, J. K. Simmons

Nota do filme: 3,9

1. Originalidade: 6,5

2. Qualidade Técnica: 7,0

3. História: 1,0

4. Atuações: 3,5

5. Caráter Mobilizador: 1,5

Justificativa: Filme que tinha tudo pra ser uma das produções do ano. Afinal, além de Fassbender no elenco, o longa é adaptado de um livro incrível do escritor Jo Nesbo. O resultado, porém, é uma história disforme, sem unidade e sem um pingo de emoção. Dirigido pelo irregular Tomas Alfredson, que também comandou a bomba pseudo-cult O Espião Que Sabia Demais, Boneco de Neve tem vários personagens sem vínculo narrativo e várias cenas jogadas a esmo. Com isso, o ritmo se torna arrastado demais e fica quase insuportável aguentar até o fim. E olha que surpresa: até Fassbender, que sempre se entrega aos seus papéis, está esquecível. Não tinha como ser pior.

9.

Título: Como Se Tornar um Conquistador

Direção: Ken Marino

Elenco: Eugenio Derbez, Salma Hayek, Kristen Bell

Nota do filme: 3,9

1. Originalidade: 4,0

2. Qualidade Técnica: 4,0

3. História: 1,5

4. Atuações: 5,0

5. Caráter Mobilizador: 4,0

Justificativa: Eugenio Derbez chamou a atenção em 2013 com o simpático Não Aceitamos Devoluções, que chegou a ganhar uma versão americana. No entanto, sua aposta seguinte foi este filme brega sobre um homem que conquista idosas ricas para subir na vida. Só que ele acaba sendo passado pra trás por Michael Cera. O resultado é um filme risível, cheio de mensagens fraternais, mas que não consegue ultrapassar a superfície. É vergonhoso, tem um final absurdo e conta com momentos inacreditáveis em tela. Só ganha alguns pontos pela boa atuação de Salma Hayek e por ter, em alguns poucos momentos, uma mensagem bonitinha.

8.

Título: A Vigilante do Amanhã

Direção: Rupert Sanders

Elenco: Scarlett Johansson, Pilou Asbæk, Takeshi Kitano

Nota do filme: 3,6

1. Originalidade: 4,0

2. Qualidade Técnica: 6,0

3. História: 2,0

4. Atuações: 5,0

5. Caráter Mobilizador: 1,0

Justificativa: A história de Ghost in The Shell já tinha sido muito bem adaptada para uma animação há alguns anos. Porém, resolveram mexer na história e colocar Scarlett Johansson no papel principal -- mesmo com a protagonista, no mangá original, sendo japonesa. O resultado é um filme estranho, desconfortável e extremamente pretensioso, que tenta ser Blade Runner a todo tempo, mas que fica na mesma linha de distopias ruins dos últimos tempos, como O Doador de Memórias. Nem mesmo a atuação de Scarlett ou o visual do filme salvaram este longa de ser um fracasso.

7.

Título: Ninguém Entra, Ninguém Sai

Direção: Hsu Chien

Elenco: Letícia Lima, Danielle Winits, Rafael Infante

Nota do filme: 3,3

1. Originalidade: 8,0

2. Qualidade Técnica: 3,5

3. História: 1,5

4. Atuações: 3,5

5. Caráter Mobilizador: 0,0

Justificativa: Por muito pouco, Ninguém Entra, Ninguém Sai não ficou com o primeiro lugar. Só escapou por conta da originalidade da história de um grupo de pessoas presas num motel, baseada num conto de Luis Fernando Veríssimo. De resto, um desastre. As atuações são péssimas e verdadeiras caricaturas -- causando riso até em momentos de drama. O desenvolvimento da história também é uma piada de mau gosto. E o final? Bem, sem entregar spoiler, conto só que o filme é concluído com todo o elenco dançando Sandra Rosa Madalena com Sidney Magal.

6.

Título: Como Se Tornar o Pior Aluno da Escola

Direção: Fabrício Bittar

Elenco: Daniel Pimentel, Bruno Munhoz, Danilo Gentili

Nota do filme: 3,3

1. Originalidade: 5,0

2. Qualidade Técnica: 5,0

3. História: 3,0

4. Atuações: 2,0

5. Caráter Mobilizador: 0,0

Justificativa: Nem as presenças de Moacyr Franco e Carlos Villagrán salvaram este filme de ser uma catástrofe geral. Esquecendo um pouco sua mensagem extremamente errada e irresponsável, o longa tem vários problemas estruturais e técnicos, como cenas sem sentido dentro da história, atuações terríveis dos dois garotinhos protagonistas e piadas que não deveriam estar ali -- como a do pedófilo. Fica, merecidamente, na sexta colocação.

5.

Título: 50 Tons Mais Escuros

Direção: James Foley

Elenco: Dakota Johnson, Jamie Dornan, Bella Heathcote

Nota do filme: 3,0

1. Originalidade: 3,0

2. Qualidade Técnica: 3,0

3. História: 0,5

4. Atuações: 4,0

5. Caráter Mobilizador: 4,5

Justificativa: Este novo capítulo da saga de Christian Grey passou tão batido que se tornou esquecível meses após seu lançamento -- confesso que nem lembrava que o filme era deste ano. Aqui, a qualidade da história e da direção aumentam um pouco em relação ao filme anterior, que é uma verdadeira bomba. No entanto, a maioria das coisas continua ruim: Jamie Dornan e Dakota Johnson continuam com atuações risíveis, a direção só tem alguns poucos arroubos de criatividade e continua cheio de clichês. O erro maior, porém, é o roteiro: cheio de falas de efeito e diálogos forçados.

4.

Título: Death Note

Direção: Adam Wingard

Elenco: Nat Wolff, Margaret Qualley, Willem Dafoe

Nota do filme: 2,2

1. Originalidade: 5,0

2. Qualidade Técnica: 3,0

3. História: 1,0

4. Atuações: 2,0

5. Caráter Mobilizador: 0,0

Justificativa: Um dos mais queridos animes e mangás dos últimos anos, Death Note foi adaptado para a Netflix com muitas expectativas. No entanto, que decepção. O filme é genérico do começo ao fim e cria personagens que não são nem sombra do que conhecemos na história original. As atuações também causam vergonha -- principalmente a de Nat Wolff, que cria um Light péssimo. Só a aparência do Ryuk, e a voz de Willem Dafoe, salvam nisso aqui. E olhe lá. Afinal, a conclusão ao som da versão original de Como Uma Deusa é uma das piores dos últimos anos.

3.

Título: 7 Desejos

Direção: John R. Leonetti

Elenco: Joey King, Ryan Phillippe, Ki Hong Lee

Nota do filme: 1,9

1. Originalidade: 5,5

2. Qualidade Técnica: 3,0

3. História: 0,5

4. Atuações: 0,5

5. Caráter Mobilizador: 0,0

Justificativa: Como acontece todo ano, 2017 também nos trouxe um filme de terror péssimo e totalmente genérico. O desta vez é 7 Desejos, filme que conta a história de uma garota que encontra uma caixa demoníaca. Apesar de alguns efeitos que chamam a atenção no começo, o filme vai se perdendo em meio a um roteiro que parece de filme B, mas que se leva muito a sério. Além disso, as atuações dão desespero de tão ruins e a personagem principal tem a mesma empatia de um objeto inanimado. 7 Desejos quebra a leva ótima de filmes de terror e mostra que não é fácil criar franquias do gênero.

2.

Título: xXx: Reativado

Direção: D.J. Caruso

Elenco: Vin Diesel, Donnie Yen, Deepika Padukone

Nota do filme: 1,0

1. Originalidade: 0,0

2. Qualidade Técnica: 3,0

3. História: 2,0

4. Atuações: 0,0

5. Caráter Mobilizador: 0,0

Justificativa: Continuação que ninguém pediu de um filme que ninguém lembrava, xXx: Reativado é um daqueles longas que revolta ao final. É tão ruim que causa desespero pelo tempo perdido e pelo ingresso pago. Afinal, as cenas de ação são irreais e não causam espanto nenhum. E Vin Diesel, o astro, está péssimo. Mas o pior é o roteiro, que não tem história e serve só pra enaltecer as qualidades do ator norte-americano -- só pra você ter ideia, todas as mulheres no filme se apaixonam por Vin Diesel. Pois é. Ah, e o que falar da cena com Neymar e Samuel L. Jackson no começo? Deveria ter ouvido meu inconsciente e ido embora logo ali.

1.

Título: Os Guardiões

Direção: Sarik Andreasyan

Elenco: Alina Lanina, Sanzhar Madiyev, Sebastien Sisak

Nota do filme: 0,8

1. Originalidade: 0,0

2. Qualidade Técnica: 2,0

3. História: 1,0

4. Atuações: 0,0

5. Caráter Mobilizador: 1,0

Justificativa: Filme russo que tentou ser uma versão de Vingadores e falhou miseravelmente. Aqui, nada é original e tudo parece ser retirado de um filme B misturado com grandes tramas de super-heróis. No entanto, por se levar a sério, o resultado é pior ainda: cenas de drama ou ação se tornam comédia pastelão; as atuações são risíveis, talvez por conta da total falta de experiência do elenco; e as cenas de ação são deprimentes, já que trocam sangue por tinta cinza. Pois é. Nada aqui se salva e, assim, Guardiões assume com folga o posto de pior filme do ano.

Menções (nem um pouco) honrosas.

A Cabana, Emoji: O Filme, Gosto se Discute, A Noiva, Fica Comigo, Beleza Oculta.