Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'Abercrombie & Fitch: Ascensão e Queda' é documentário banal da Netflix


Fale bem ou fale mal, mas a marca Abercrombie & Fitch conseguiu criar um estilo, uma ideia. Mais do que roupa, a marca americana conseguiu extrapolar os cabides e se tornar uma aspiração -- saindo das fronteiras dos Estados Unidos e até mesmo com impacto nos colegiais brasileiros por aí. No entanto, nos bastidores, casos de preconceito e racismo. E é justamente sobre essa montanha-russa que se debruça Abercrombie & Fitch: Ascensão e Queda, da Netflix.


Dirigido por Alison Klayman (do excelente Ai Weiwei: Never Sorry), o documentário conta como a Abercrombie & Fitch foi refundada e, de uma marca esportiva clássica norte-americana, se tornou uma marca juvenil, entrando nos colegiais ao redor dos Estados Unidos. Ter e usar uma roupa da Abercrombie & Fitch era mais do que ter um estilo. Era ter uma identidade em comum com pessoas "bacanas" ao redor de todo o País. Era ser desejado e ter roupas desejadas.


Assim, depois de esmiuçar a estratégia de marketing para atingir esse imaginário popular, Abercrombie & Fitch: Ascensão e Queda fala, justamente, sobre a derrocada da marca. Como? Por conta do preconceito e racismo que consumia os bastidores das lojas, com diretores orientando a contratação de funcionários -- era preciso, em sua maioria, ser branco, cabelo curto, malhado. Em contrapartida, asiáticos ou negros eram facilmente dispensados das lojas.


A partir daí, Klayman faz um exame detalhado desse processo de derrocada e, acima de tudo, um olhar analítico sobre como isso afetou e ainda afeta a presença da Abercrombie & Fitch no Brasil e no mundo, perdendo espaço para outras marcas. É uma boa história, com bons depoimentos, que segue o bê-á-bá de sempre de documentários do tipo, com entrevistas feitas de maneira convencional, imagens de arquivo e boas filmagens e artes para povoar o filme.


No entanto, é impossível escapar da sensação de que Abercrombie & Fitch: Ascensão e Queda perde uma oportunidade e tanto de ir além. Essa história, afinal, já era bem conhecida, principalmente nos Estados Unidos. Era um bom caminho, então, se Klayman tivesse expandido e ido além da A&F, mostrando como há problemas endêmicos em marcas de roupa -- populares ou não -- nos Estados Unidos, Europa e até mesmo no Brasil. Faltou esse olhar mais global.


Do jeito que ficou, Abercrombie & Fitch: Ascensão e Queda funciona como um documentário de curiosidade, que conta uma história conhecida por muitos, talvez desconhecida para vários outros. Mas não há dúvidas de que a partir de um tema tão interessante, forte e necessário, além de contemporâneo, havia possibilidades de fazer com que o discurso fosse além. A A&F é, era e sempre foi um marco no preconceito na moda. Mas, todos sabemos, não é a única.

 

3 comentários