Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'Diga-me Quando', da Netflix, é comédia mexicana despretensiosa


Will (Jesús Zavala) é um descendente de mexicanos que mora em Los Angeles e não pensa em outra coisa senão em trabalho. Um belo dia, porém, seu avô leva um rapaz para uma viagem e impõe ao rapaz que ele pare de "ter" para "ser". Que vá viver. Will não dá muito bola, mas seu avô morre ali, bem enquanto fazia esse pedido e sem entregar um caderninho. Um guia do México.


É aí que começa Diga-me Quando, nova comédia romântica mexicana da Netflix. Dirigido e roteirizado por Gerardo Gatica (produtor do excepcional Ya No Estoy Aquí), o longa-metragem é uma estranha mistura de 500 Dias com Ela e A Vida Secreta de Walter Mitty. Afinal, de um lado, há o romance de Will com a apaixonante Dani (Ximena Romo). Do outro, a viagem pelo México.


A história é bonitinha, sem dúvidas. As motivações do protagonista, o romance quase natural que surge a partir da relação dele com Dani, os amigos que vão orientando Will nesse novo universo de histórias e sensações do México. Tudo isso funciona bem na trama, ainda mais com Gatica filmando bem pontos turísticos (e outros nem tanto assim) da bela Cidade do México.

No entanto, a sensação é de que Diga-me Quando é despretensioso demais. Inspirando-se exageradamente nessas histórias americanas já citadas, parece que há pouca personalidade no longa mexicano. Tirando alguns momentos realmente inspirados do diretor, como as brincadeiras que faz com a paixão de Will, muito é realmente original na trama. Falta força.


O filme, sem dúvidas, poderia ter seguido por um caminho mais ao estilo de Medianera, comédia romântica argentina que cheira tango e empanadas. Aqui, se não fossem as paisagens, pouco teríamos realmente de México. É uma história que poderia se passar em qualquer lugar. No entanto, os bons personagens, muitos realmente apaixonantes, elevam a qualidade do filme.


Diga-me Quando é um filme singelo, simpático e bem feito -- muitas vezes, até demais. Tem um final bonito e interessante, que por sua força até destoa um pouco do resto da trama. Mas, sem dúvidas, uma boa aposta da Netflix no segmento de comédias românticas e, sobretudo, de cinema mexicano. Tomara que da próxima vez tenhamos um pouco mais de originalidade.

#Crítica #Cinema #Filme #Comédia #Romance #Netflix

0 comentário