top of page
Buscar
  • Foto do escritorMatheus Mans

Crítica: 'Irmãos à Italiana' começa brilhante, mas derrapa na conclusão


Confesso que até uns 50 minutos de projeção, mais ou menos, estava achando que Irmãos à Italiana seria um dos filmes do ano. Afinal, o diretor Claudio Noce encontrou a sensibilidade necessária para contar sua própria história: a de um garotinho que viu seu pai ser vítima de um atentado na porta de casa. Quais traumas foram criados na cabeça desse menino tão novo?


Muito bem interpretada por Mattia Garaci, a criança mostra que precisou crescer cedo, e rápido, após a tal tentativa de assassinar o pai -- que nunca tem a sua profissão realmente esclarecida. A cada batida na porta, o menino congelava. A cada saída do pai, apreensão. Será que ele conseguiria voltar? Afinal, a Itália vivia os "anos de chumbo". O pai estava diretamente envolvido.


Noce, mostrando sua visão como criança, nunca fala diretamente sobre fatos políticos ou sociais. Como qualquer criança, o pequeno Valerio vai pegando as dicas, os sinais. Nós, como meros espectadores, vemos tudo por meio de seu olhar. Não é à toa na insistência do diretor em sempre colocar a câmera no rosto do menino ou, então, em sua nuca, como se víssemos por ele.


Além disso, após o trauma, surge um garoto na vida de Valerio. É Christian, um menino aparentemente de rua, sempre sujo e com uma bolsa a tiracolo, que aparece apenas para o protagonista-criança. É um fantasma? É esquizofrenia do personagem? O que acontece? São toques narrativos que pipocam aqui e ali e que deixam o filme mais desafiador, saboroso.

E a principal alma dessa história, ainda que Garaci se saia bem, é Pierfrancesco Favino (Suburra). Ele está no ápice de sua capacidade interpretativa, praticamente vivendo os anos 1970 -- ele tem toda a malícia, dor e fantasia dos personagens italianos dessa década. A relação dele com o filho transcende a tela, ganha força e arrebata o espectador. Grande ator.


Mas, uma pena, o roteiro se perde completamente na segunda metade. Os personagens decidem fazer uma viagem (que é mais uma fuga, mas tudo bem). Ali, acontecem duas coisas: mudanças drásticas no personagem de Christian e uma modulação ainda maior na relação entre Valerio e o pai. Sobre este último ponto: sem problemas. Continua sendo a alma do filme. Funciona bem.


Só que as mudanças envolvendo Christian matam o filme. É confuso, é mal resolvido. Além disso, perde muito da força imaginativa de Valerio -- ele ainda é um personagem complexo e com camadas, mas o encanto começa a se esvair. Irmãos à Italiana fica estranho. E surge a questão: o que Claudio Noce está realmente querendo contar aqui? Pra que serve Christian?


O filme, ainda que tenha a força de Pierfrancesco, termina como uma viagem e dois amigos se divertindo -- há até alguns paralelos óbvios com Luca. Uma pena. Mas isso, de alguma forma, não apaga o que Noce conseguiu construir no começo da narrativa. Poderia ter terminado melhor, como O Ano que Meus Pais Saíram de Férias? Claro. Mas faltou muita força.

 
2 comentários

2 Comments


Flávia Rudge Ramos
Flávia Rudge Ramos
Oct 03, 2021

Parabéns pela sua crítica.

Like
Esquina da Cultura
Esquina da Cultura
Oct 04, 2021
Replying to

Obrigado!

Like
bottom of page