Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'Legado Explosivo' é típico filme de ação de Liam Neeson


Alguns atores, por melhores que sejam em seus trabalhos, acabam encontrando nichos de atuação e nunca mais escapam. É o caso de Nicolas Cage, por exemplo, e seus filmes bizarros. Ou Robert Downey Jr., que explodiu com o Homem de Ferro, mas não foi além. E, é claro, Liam Neeson, um ator extremamente competente, mas que encontrou seu espaço nos filmes de ação.


Legado Explosivo, filme que chega aos cinemas nesta quinta-feira, 7, é mais um exemplo desse nicho tão bem explorado por Neeson desde Busca Implacável, passando por Desconhecido e até Sem Escalas. Aqui, o astro é um homem comum que descobriu uma boa maneira de roubar bancos. Até aí tudo bem. O que muda aqui é que ele se apaixona e decide se entregar ao FBI.


A ideia do protagonista do longa-metragem é ter a possibilidade de diminuir a pena e, assim, ficar mais perto de seu novo amor. Só que, no caminho, ele encontra dois agentes federais que não estão dispostos a abrir brechas e fazer negociações. Pelo contrário: querem acabar com o personagem de Neeson e ficar com o dinheiro. É aí que entra a trama escapista do filme.

O diretor Mark Williams (do genérico Um Homem de Família) bem que tenta, mas não consegue trazer absolutamente nada de original no filme. A pose de "vilão" de Neeson no começo logo é deixada pra trás e o ator volta rapidamente a encarnar o papel de bom mocinho -- afinal, oras, ele está roubando uma instituição financeira, e não atacando frontalmente uma outra pessoa.


Rapidamente, Williams e Neeson abraçam o que há de mais genérico nesse gênero. A ação é óbvia, as reviravoltas são esperadas, a trama se desenrola de maneira totalmente previsível. O personagem tem um desenvolvimento que já vimos outras dezenas de vezes. E o astro está como acostumamos a vê-lo em outras produções do gênero, fazendo voz grave e só. Uma pena.


Mas aí fica a dúvida: isso é problema se o filme consegue causar diversão? Afinal, é curioso e um bom passatempo ver Neeson fazer as vezes de um "ladrão honesto". Não há novidades, não há nada de diferente das dezenas de outros filmes iguais na carreira do protagonista de Busca Implacável -- o que impede o longa de ser distinguível. Mas é divertido. E isso já vale a assistida.

#Crítica #Filme #Cinema #Ação

0 comentário