top of page
Buscar
  • Foto do escritorMatheus Mans

Crítica: 'O Lado Bom de Ser Traída', da Netflix, é filme de poucos propósitos


É impressionante como o longa-metragem O Lado Bom de Ser Traída, que chegou ao catálogo da Netflix nesta quarta-feira, 25 de outubro, é um filme de poucos, pouquíssimos objetivos. Dirigido pelo competente Diego Freitas (O Segredo de Davi) e roteirizado pela também escritora Sue Hecker, o longa-metragem até tenta outros objetivos, mas só quer uma coisa: dar tesão.


Afinal, O Lado Bom de Ser Traída tem uma história tosca, genérica até o último fio de cabelo, que fala sobre Babi (Giovanna Lancellotti), uma mulher prestes a casar que descobre, na despedida de solteira, que está sendo traída. É aí que ela aproveita o fim do relacionamento para engatar um outro romance: com o juiz bonitão (Leandro Lima) que está cuidando do caso do ex-marido.


O longa-metragem é mais um capítulo da já saturada saga de filmes que trazem elementos do cinema de Cinquenta Tons de Cinza. É uma mistura de thriller, com Babi sendo ameaçada o tempo todo por alguém misterioso (mas que é óbvio desde o minuto 1 quem é a tal pessoa), e de cinema erótica, com cenas de sexo tórrido entre Babi e Marco. No fim, mais sexo do que thriller.

Além de já nascer como um filme sem qualquer originalidade, O Lado Bom de Ser Traída tem um outro problema: seu foco é único e exclusivo no sexo. As cenas entre o casal são bem filmadas e perce-se entrega dos atores -- e cuidado de Diego. Fora isso, parece que a produção não tem maiores objetivos. A fotografia, por exemplo, deixa São Paulo genérica, até chata.


E o roteiro... É, sem dúvida alguma, uma das piores coisas que já vi na vida. É uma eterna fanfic, em que vemos um romance absolutamente idealizado no meio de uma traição. Os diálogos são pobres, as situações que surgem são aleatórias e muitas soluções para problemas complexos são resolvidos em uma ligação -- "preciso das gravações e que você grampeie uma pessoa", diz o juiz, com a maior naturalidade do mundo, em uma ligação no telefone, após um acidente.


É ridículo, vergonhoso, artificial, tosco. Parece duro, mas sequer After tem diálogos tão pobres, tão ruins. Pode até ser que a entrega dos atores e a direção de Diego Freitas cause esse objetivo central de dar tesão ao público. Agora, se a produção por trás do filme acha que esse longa vai causar algo além disso, ilusão. Fica até a dúvida se o lugar certo do filme é na Netflix mesmo...

 

4 comentários

4 commentaires


Sr Santini
Sr Santini
30 oct. 2023

Netflix virou um poço de bosta

J'aime

ellenmoraes.85
28 oct. 2023

Um dos piores filmes que já vi, sem absolutamente nada que salve, os diálogos são, sem duvida, o pior. Uma pena.

J'aime

Camila Carneiro
Camila Carneiro
27 oct. 2023

Nossa, graças a Deus não estou doida. Achei HORRÍVEL o filme. Diálogos ruins, cenas fracas. Perda de tempo assistir.

J'aime

Beatriz Gobi Gobi
Beatriz Gobi Gobi
26 oct. 2023

Alem de eu concordar com td escrito aqui eu também li e re-li o livro varias vezes e posso dizer que eles leram a sinopse e o climax para saber quem era o vilão e ai criaram isso. NADA é parecido com o livro. A filha dele é peça super importante no desenvolvimento da história. A Paula é narcisista nao psicotica. O Marcos é carismático e descontraido assim como a Babby. Na minha opinião a Paty arrasou a atriz arrasou e foi fiel a personagem. De resto nada acertou. Nao tem desenvolvimento de personagens, é so... aquilo. Sem sal nenhum. Sem conteúdo. Só 1h40 de filme sem nexo e total diferente do livro.

J'aime
bottom of page