• Bárbara Zago

Crítica: 'O Manicômio' é terror genérico, mas com crítica social


Um dos diretores que obteve maior êxito ao retratar o lado sombrio de um manicômio foi Ryan Murphy na segunda temporada de American Horror Story, intitulada de Asylum. Tomando lugar em 1964, a história segue pacientes, médicos e freiras da instituição. Por se tratar de uma série, existe uma margem muito maior para desenvolver tanto o cenário quanto personagens. Já um filme pode ser prejudicado neste aspecto, como é o caso do alemão O Manicômio, que chega ao Brasil somente na versão dublada.

Dirigido por Michael David Pate, o longa se passa em Berlim, em 2018, e mostra um grupo de jovens youtubers que lançam um desafio de passar 24 horas num manicômio abandonado de Berlim. De fato, a sinopse desanima qualquer entusiasta. No entanto, o filme mais é uma crítica à sociedade contemporânea do espetáculo do que qualquer outra coisa.

O Manicômio retoma o que foi feito em A Bruxa de Blair e Cloverfield ao seguir o estilo found footage durante a maior parte do tempo, o que faz total sentido para a trama, mas pode ser bastante cansativo. Em outros momentos, inspira-se em Atividade Paranormal, com várias câmeras espalhadas pelo local, simplesmente esperando um jumpscare.

Os personagens, ainda que pouquíssimo desenvolvidos e mal apresentados, retratam o lado mais patético e exibicionista de famosos do YouTube. O exagero, o narcisismo, a necessidade de visualizações estão totalmente presentes em personagens totalmente estereotipados, responsáveis por dar um tom cômico ao filme. Pate tenta inserir elementos que os humanizem mais, porém cai na mesma armadilha: permanece superficial.

Com 89 minutos de duração, o filme pode ser dividido em duas partes: a crítica social ao mundo dos likes e ao terror sobrenatural. A primeira delas funciona, na medida do possível, visto que não se propõe a falar somente disto. Já a segunda acaba se aproximando do horror previsível, cheio de jumpscares e com uma história fraquíssima que não provoca medo, apenas sustos.

#Crítica #Terror #Cinema #Filme