Buscar
  • João Pedro Yazaki

Crítica: ‘O Mistério da Casa Assombrada’, da Netflix, é filme pouco carismático


Não há dúvidas de que Stranger Things e Dark foram duas séries que trouxeram um novo panorama para o terror/suspense adolescente. O sucesso dessas produções, sendo que a primeira está indo para a sua 4º temporada, fez com que a Netflix investisse ainda mais em conteúdos do gênero. O Mistério da Casa Assombrada, filme austríaco e de língua alemã, é uma das tentativas do serviço de streaming de ampliar seu portfólio tendo duas de suas obras mais famosas como principais referências. Contudo, o sucesso aqui certamente não irá se repetir.


O longa conta a história de dois irmãos de mudança para a Áustria junto com a mãe. Eles passam a morar em uma casa estranha, onde no passado foi palco de uma tragédia envolvendo uma mulher e seus filhos. Coisas misteriosas passam a acontecer, logo os irmãos Hendrik e Eddi precisam investigar junto aos amigos recém-conhecidos, Fritz e Ida.


O filme é um mix de coisas que já vimos em vários outros. Além de Dark e Stranger Things servirem de inspirações desde o início, percebemos tentativas de se referenciar em clássicos dos anos 1980 como O Iluminado, Os Goonies e Os Caça-Fantasmas; inclusive no recente It: A Coisa. A partir de um pouquinho de cada um que a trama de O Mistério da Casa Assombrada se desenrola.

Acontece, que a tentativa de extrair algumas características dessas obras foi por água abaixo. O grupo de amigos é forçado e desconexo, além de pouco desenvolvido. Não dá tempo de se apegar a nenhum personagem, nem mesmo aos protagonistas Hendrik e Eddi. O primeiro possui um temperamento birrento, já o segundo uma infantilidade exagerada. O único que se salva é o menino Fritz, por ter um mínimo de carisma em sua caracterização. Ida, por sua vez, possui uma característica importante para a narrativa se desenvolver, mas a personagem em si é fraca assim como o resto.


Além disso, a cinematografia e trilha sonora, essenciais para compor toda a atmosfera de um filme de suspense, não estão muito presentes. Apenas em ocasiões rasteiras é possível perceber um jogo de luz interessante, remetendo um pouco ao Suspiria de 1977, um clássico do terror.


Sendo justo, a história não é das piores. Ela foge um pouco da fórmula repetitiva dos filmes norte-americanos, com alguns elementos criativos envolvendo os irmãos e os mistérios da casa onde vivem. Entretanto, não é o suficiente para prender durante o filme todo. Embora o início seja um tanto intrigante, não demora para o espectador se cansar. Os últimos 30 minutos, por exemplo, são bem difíceis de digerir.


Enfim, O Mistério da Casa Assombrada é no máximo uma atração em família para o final de semana, mas é difícil de se divertir pela falta de carisma dos personagens. A premissa pode interessar aos que procuram por um terror alternativo, e a curiosidade de saber como tudo se resolve acaba sendo o único motivo para assistir até o fim.

#Crítica #Cinema #Filme #Netflix

2 comentários