• Bárbara Zago

Crítica: 'O Que Te Faz Mais Forte' comove, mas se perde em exageros


A proximidade com a realidade sempre exerce um papel fundamental na relação entre o espectador e uma obra; não é à toa que tantos filmes de terror já utilizaram o "baseado em fatos reais" para trazer uma dose extra de horror ao seu público. Quando os fatos reais dizem à respeito a algo que aconteceu há poucos anos, ou seja, um evento que a grande maioria deve se lembrar, o impacto é ainda maior. E é nisso que O Que Te Faz Mais Forte se apoia.

Inspirado no livro homônimo, o filme dirigido por David Gordon Green (de Joe, com Nicolas Cage) conta a história de Jeff Bauman (Jake Gyllenhaal) após perder as duas pernas durante o atentado de Boston. Diferente de O Dia do Atentado, estrelado por Mark Wahlberg, O Que Te Faz Mais Forte foca na vida de Bauman após o acidente e como acabou tornando-se uma espécie de herói americano.

Talvez a característica mais marcante de toda a história seja como Bauman virou um símbolo de resistência, apesar de ser um típico americano de classe média. Sua própria motivação para comparecer à Maratona de Boston é algo extremamente relacionável: conquistar a ex-namorada. O filme ilustra bem a família desequilibrada americana, principalmente por meio do retrato de sua mãe, uma alcoólatra que aproveita a fama do filho para torná-lo um herói, mesmo que ele não aprove isto.

A foto icônica de Bauman após o bombardeio, sendo levado ao hospital na cadeira de rodas, talvez faça muito mais sentido para os americanos do que para o restante. É da cultura estadunidense constantemente eleger símbolos diante de desastres. Acredito que pela pouca identificação nesse quesito, ficou mais fácil entender Bauman como um homem problemático ao invés de um herói. Não que uma coisa anule a outra, mas o lado descompensado pesou muito mais.

Jake Gyllenhaal interpreta Bauman de maneira brilhante. Inclusive, acredito que sua atuação é quem traz a maior empatia, e não o personagem em si. Em muitos momentos, fica claro como Bauman era um homem injusto e extremamente infantil, mas a presença de Gyllenhaal no papel amenizava um pouco tais características.

Ele consegue retratar bem as dores, sejam elas físicas ou psicológicas, a ponto de causar um desconforto em quem assiste. O filme peca em aspectos visuais; a necessidade de mostrar os ferimentos e o ataque é tão brutal que chega a ser desnecessária na maioria das vezes, não tendo sintonia com o tom do restante do filme.

O Que Te Faz Mais Forte não deixa de ser o ponto de vista de Bauman sobre o atentado que mudou sua vida. O slogan "Boston Strong" é comovente, mas talvez nem tanto para quem não esteja tão identificado com a cultura norte-americana. O filme tem erros e cenas que seriam facilmente removíveis, porém faz um retrato extremamente realista de uma vítima do terrorismo.

#Crítica #Drama #Filme #Cinema