Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'Troco em Dobro' é boa mistura de ação e comédia da Netflix


A parceria entre o ator Mark Wahlberg e o diretor Peter Berg continua riquíssima. Depois do premiado O Grande Herói, do intenso Horizonte Profundo e dos interessantes 22 Milhas e O Dia do Atentado, chegou a vez da dupla produzir para a Netflix com a produção mais divertida da safra. É Troco em Dobro, longa-metragem que chegou ao catálogo do streaming nesta sexta, 5.


Na trama, acompanha-se a história de Spenser (Mark Wahlberg), um ex-policial que acaba de sair da cadeia após trocar socos, violentamente, com um colega de profissão. No entanto, surpresa: logo que o protagonista é liberto, o colega é morto. Começa aí, então, uma longa investigação comandada informalmente por Spenser e com a ajuda do Falcão (Winston Duke).


Quem matou o colega de profissão? O que aconteceu? Qual a história? Os problemas vão se amontoando e Spenser, conhecedor da máfia local, tenta se descolar da possível culpa do crime.


Mistura de ação e comédia, Berg surpreende com um estilo ligeiramente diferente do que temos vistos nos seus últimos filmes. Lembrando mais o tom de produções antigas do cineasta, como Hancock e Bem-Vindo à Selva, as cenas de ação são contidas para dar espaço ao elenco pra trabalhar com o texto espirituoso do estreante Sean O'Keefe e de Brian Helgeland (Zona Verde).

As piadas são bem sacadas e o humor acaba funcionando com tranquilidade, principalmente, quando cai no colo de Duke (Nós) e de Alan Arkin (Pequena Miss Sunshine). O primeiro faz humor mais inusitado, trazendo tiradas fofinhas quando se espera agressividade. Funciona. O segundo, enquanto isso, é o de sempre: o idoso atrapalhado, mas com uma malícia no fundo.


Mas claro: ainda assim, o cineasta continua trabalhando com o que sabe fazer de melhor. A porradaria come solta em alguns momentos, trazendo dinamicidade ao longa. Algumas cenas de perseguição saltam aos olhos, com a câmera sempre rápida e trazendo força ao filme. Mark Wahlberg, claro, acaba mais restrito à esse gênero: corre, bate, tira a camisa e tudo funciona.


No entanto, duas coisas acabam complicando o resultado final -- que, porém, ainda assim é positivo. O primeiro ponto é uma certa confusão no roteiro na hora de explicar os envolvidos no crime. São muitos nomes, muitas organizações criminosas, muitos criminosos. Fica complicado. Outro ponto são os clichês exagerados. Você sabe o que vai acontecer antes de acontecer.


Mas é aquilo: Troco em Dobro é um filme leve, divertido, bom de assistir e que entretém. Você não vai sair transformado da história. Nem é esse o objetivo. Mas, sem dúvida, será um bom passatempo, que novamente mostra a força da dupla Peter Berg e Mark Wahlberg. Tomara que tenha continuação, como a deixa final indica. Dá vontade de ver mais dessa boa história.

#Crítica #Cinema #Filme #Ação #Comédia