top of page
Buscar
  • Foto do escritorMatheus Mans

Crítica: 'Última Chamada para Istambul', da Netflix, surpreende com mosaico de convenções



É muito interessante analisar como Última Chamada para Istambul, filme da Netflix que estreia nesta sexta-feira, 24, se transforma ao longo de sua exibição. Ainda que seja apresentado como uma comédia romântica turca, de um casal se conhecendo no aeroporto, o longa-metragem traz facetas que contradizem esse perfil inicial de filme. Mais do que romance, é um drama curioso.


Mas vamos com calma. A história começa com Mehmet (Kivanç Tatlitug) e Serin (Beren Saat) se conhecendo enquanto esperam as malas -- uma confusão faz com que ela fique sem a bagagem despachada. Os dois são casados, mas logo fica evidente como há uma faísca de paixão começando já nessa chegada à cidade de Nova York. A partir dali, eles não se desgrudam.


Uma comédia romântica turca? Nada disso. Não há comédia aqui, mas sim um romance açucarado, com ares proibidos, desses dois se conhecendo enquanto possuem vínculos com outras pessoas. Até que, lá pela metade da projeção, Última Chamada para Istambul muda de rumo novamente. De uma hora pra outra, vira um drama de ares pesados, bem distinto.


Muito do que é apresentado aqui já foi visto em outras histórias, geralmente de maneira mais habilidosa. Antes do Amanhecer, História de um Casamento e Ponte Aérea. O fato é que Última Chamada para Istambul, ainda que cometa o erro de dar um spoiler sobre o que veremos a seguir na animação de abertura, cionsegue surpreender. Nada é realmente original, mas tudo é feito com cuidado para que a gente acredite naquele relacionamento e no que está passando.


O fato é que, no final, estava torcendo para que as coisas terminassem bem. Para aqueles que estão acostumados com um mar de romances genéricos e feitos de qualquer maneira, é interessante ver uma ideia que vai além dos sorrisos e suspiros usuais que encontramos em filmes de romance. Há complexidade nesta produção turca, deixando tudo mais interessante.


Com isso, nos últimos 25 minutos, já não sabemos mais como nos sentir. Por mais que o filme seja um caledoscópio de tramas que já vimos outras vezes, aqui tudo é bem aproveitado e ficamos nessa sinuca de bico, tentando entender de qual lado ficar nessa história -- algo natural em uma situação assim. Boa surpresa da Netflix. Com suas fragilidades, mas criativo e ousado.


 

0 comentário

Comentários


bottom of page