Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'Um Casal Inseparável' é mais do mesmo que rende boas risadas


Sabe aquelas comédias brasileiras que não querem reinventar a roda, mas apenas fazer o bom arroz com feijão? São filmes despretensioso, geralmente leves, que acabam conquistando um público interessante. É justamente esse o caso do divertido Um Casal Inseparável, longa-metragem que chega às salas de cinema de todo o Brasil já a partir desta quinta-feira, 9.


Dirigido por Sérgio Goldenberg, o longa-metragem conta a história de um casal (Nathalia Dill e Marcos Veras) que, depois de um período bom em suas vidas, acaba se separando. Ele se casa com uma colega de trabalho (Dani Suzuki), enquanto a ex-esposa segue sua vida. Mas, por trás, há os melhores personagens da trama: os pais da personagem de Nathalia Dill, interpretados muito bem por Totia Meirelles e Stepan Nercessian, que não aceitam o fim do relacionamento.


A partir daí, o público se diverte com todas essas idas e vindas, com situações absurdas que vão se desdobrando com muito bom humor na tela. Como dito, não reinventa a roda: é daqueles filmes que querem apenas divertir e ser como um bom passatempo. E Um Casal Inseparável serve bem ao seu propósito. É gostosinho de assistir, o elenco está bem e há boas piadas.

Além disso, há dois aspectos que conseguem colocar o longa-metragem um nível acima do esperado. Primeiramente, o bom elenco. Nathalia Dill e Marcos Veras funcionam bem com esse casal de idas e vindas e, ainda que não sejam o grande destaque de Um Casal Inseparável, convencem. Os melhores são Totia Meirelles e Stepan Nercessian, o escape cômico da trama.


Por fim, também se destaca a trilha sonora da produção, de Martinho da Vila, passando por Arnaldo Antunes e até Karol Conká. Difícil não cantarolar uma música no filme, que ajuda o longa-metragem não só a ter um ritmo bem marcado, como a mostrar sua vibe contemporânea. Pode parecer pouca coisa, mas isso ajuda muito o filme a ser memorável em alguns momentos.


Enfim: Um Casal Inseparável é um filme que aposta em mesmices que já vimos dezenas de vezes por aí, inclusive no cinema nacional. Mas o bom entrosamento dos atores, a produção cuidadosa e as tiradas espirituosas fazem o filme se tornar algo realmente agradável para o público em geral assistir. No final do dia, se torna um passatempo certeiro e divertido.


0 comentário