Buscar
  • Matheus Mans

'O Quarto Dia' é exemplo de como finais não devem ser escritos


Tudo corre perfeitamente bem no navio O Belo Sonhador: jovens se embebedam, solteiros procuram pares ideais, atrações internacionais se apresentam para entreter o público ocioso no meio do mar. O que ninguém espera, porém, é que o navio começará a apresentar problemas — não explicados pela tripulação de maneira satisfatória — e ficará parado, sem contato com o continente e com todos seus suprimentos de comida e água. Esta é a premissa inicial do livro O Quarto Dia, de Sarah Lotz. Apesar de não ser uma continuação direta, a obra cria laços com o livro Os Três, que fala sobre uma tragédia de aviões. Em O Quarto Dia, Lotz brinca com o macabro, o surreal e o thriller para criar uma atmosfera de suspense dentro deste cruzeiro que começa a passar por problemas no meio do mar. E, no começo, a ideia de Lotz é impecável. Alternando o personagem em foco a cada capítulo, Lotz consegue dar um bom panorama geral sobre a situação que se vive no cruzeiro, mesclando de maneira sucinta e correta todos os elementos que se propõe: thriller, suspense e, até mesmo história de fantasmas. Além disso, apesar de ter alguns personagens pouco interessantes, todos os principais com capítulos inteiramente dedicados à eles são bem desenvolvidos. Duas idosas suicidas e o médico do cruzeiro, principalmente, conseguem chamar a atenção e desenvolver capítulos agradáveis, interessantes e, por vezes, intensos de ler. E assim continua O Quarto Dia, ao longo de suas 300 páginas. Entretanto, nas últimas 50, tudo vai por água abaixo. Toda a história, bem estruturada e com boas doses de suspense e ação, somem. Lembram do novo filme do Quarteto Fantástico? Em determinado ponto, toda a história criada e desenvolvida some e parece que começamos a ver outro filme, não é? A mesma coisa ocorre aqui. Parece que alguém deu um forte pancada na cabeça de Sarah Lotz, despertando outra personalidade em seu interior para terminar este livro. O final é desconexo, chato, pouco inventivo. Nada chama a atenção. Enquanto as 300 páginas do começo do livro correram por ter conteúdo interessante, as últimas 50 correram pelo desespero de que acabassem logo. E o pior de tudo é que Sarah Lotz comete um erro de iniciante: todo suspense criado na história não é resolvido. Simples assim. Apenas fala que um ou outra coisa aconteceu, mas nada é resolvido e muito menos explicado. Sou fã de finais abertos. Mas finais abertos que fazem sentido com a obra. Em O Quarto Dia, isso não existe. Enfim, o livro de Sarah Lotz tem 300 páginas impecáveis e bem desenvolvidas. Mas peca por um final pedante, preguiçoso e chato. Espero que isso se resolva nos próximos livros da autora.

Título: O Quarto Dia

Autor: Sarah Lotz

Editora: Arqueiro

Ano: 2016

Preço médio: R$ 30,00

Link para compra na Amazon: amzn.to/2fVgbjO