Buscar
  • Matheus Mans

Os cinco melhores filmes brasileiros de 2018 até agora


O primeiro semestre de 2018 está ficando para trás e, com isso, fica uma certeza: o ano para o cinema brasileiro foi muito bom. Diverso, ousado e original, as produções nacionais impressionaram pela qualidade cada vez mais alta de suas produções, indo na contramão do complexo de vira-lata que grande parte das pessoas possuem com os filmes brasileiros.

O Esquina, dado esse bom momento da produção cinematográfica do Brasil, separou os principais destaques e os classificou num ranking de cinco filmes. Os critérios para elencar os longas são os mesmos usados em outras listas classificatórias elaboradas pela reportagem: originalidade, qualidade técnica, história, atuações e caráter mobilizador.

5.

Título: Cartas para um Ladrão de Livros

Direção: Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros

Elenco: Laessio Rodrigues de Oliveira

Nota do filme: 8,5

1. Originalidade: 9,0

2. Qualidade Técnica: 7,5

3. História: 9,0

4. Atuações/entrevistas: 9,0

5. Caráter Mobilizador: 8,0

Justificativa: Divertido, ousado, crítico e bem feito, o documentário Cartas para um Ladrão de Livros é presença obrigatória na lista. Dirigido por Caio Cavechini e Carlos Juliano Barros, o longa acerta ao mostrar a vida de um ladrão brasileiro de livros de modo pouco usual, permitindo que a história tome proporções divertidas e que não recaia, a todo o tempo, na crítica social. Isso, é claro, não indica que faltam alfinetadas ao longo da história. Há, e muitas. Mas o grande mote por trás da produção fica no colo do próprio espectador. Crítica completa AQUI.

4.

Título: Aos Teus Olhos

Direção: Carolina Jabor

Elenco: Daniel de Oliveira, Marco Ricca, Luisa Arraes

Nota do filme: 9,0

1. Originalidade: 7,5

2. Qualidade Técnica: 9,0

3. História: 9,0

4. Atuações/entrevistas: 9,5

5. Caráter Mobilizador: 10,0

Justificativa: Depois do também ótimo Boa Sorte, a cineasta Carolina Jabor decidiu apostar em mais um tema complexo para seu longa-metragem Aos Teus Olhos: o linchamento sem embasamento em tempos de redes sociais. Com um mote parecido com o dinamarquês A Caça, o filme mostra a repercussão da acusação de assédio em uma criança no Facebook e afins. É real, é humano, é atual. É uma discussão necessária e muito bem feita, que amplia o olhar do espectador e mostra que tudo pode ter, sim, dois lados. Crítica completa AQUI.

3.

Título: A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro

Direção: Zeca Brito e Leo Garcia

Elenco: Tarso de Castro, Jaguar, Caetano Veloso

Nota do filme: 9,1

1. Originalidade: 7,5

2. Qualidade Técnica: 9,5

3. História: 10,0

4. Atuações/entrevistas: 9,5

5. Caráter Mobilizador: 9,0

Justificativa: Não canso de falar e repetir: o documentário A Vida Extra-Ordinária de Tarso de Castro é um filmaço. Ousado e de narrativa pouco usual para um documentário que precisa recorrer às entrevistas, o longa-metragem aposta numa narrativa dinâmica e em estratégias que deixam viva a curiosidade e o ânimo do espectador com relação à vida do falecido jornalista Tarso de Castro, responsável por criar o histórico jornal O Pasquim. É um filme que, de fato, faz mais sentido ao meio jornalístico, mas que é um alento ao público brasileiro. Crítica completa AQUI.

2.

Título: Arábia

Direção: Affonso Uchoa e João Dumans

Elenco: Aristides de Souza, Murilo Caliari, Renata Cabral

Nota do filme: 9,2

1. Originalidade: 8,5

2. Qualidade Técnica: 8,5

3. História: 10,0

4. Atuações/entrevistas: 9,0

5. Caráter Mobilizador: 10,0

Justificativa: Por pouco -- muito pouco -- que Arábia não encabeçou este rico e diverso ranking nacional. Com uma produção que chama a atenção pelo apuro técnico, o longa-metragem da dupla Affonso Uchoa e João Dumans vai na linha do neorrealismo brasileiro ao colocar um ator não-profissional (Aristides de Souza) na pele de um operário que circula pelo Brasil em busca de uma oportunidade. É real, é visceral, é bem feito. Arábia é uma aula de como fazer bons filmes e, principalmente, como é bom olhar para camadas sociais que recebem pouca atenção do cinema. Rende pérolas como essa. Crítica completa AQUI.

1.

Título: As Boas Maneiras

Direção: Marco Dutra e Juliana Rojas

Elenco: Isabel Zuaa, Marjorie Estiano

Nota do filme: 9,5

1. Originalidade: 10,0

2. Qualidade Técnica: 8,5

3. História: 10,0

4. Atuações/entrevistas: 10,0

5. Caráter Mobilizador: 9,0

Justificativa: Não adianta: As Boas Maneiras, da talentosa dupla Marco Dutra e Juliana Rojas (Trabalhar Cansa), é o melhor filme brasileiro do semestre e, quiçá, um dos melhores do ano. Ainda que não tenha despertado amores por todo o público, o filme tem uma trama ousada, pouco usada no cinema brasileiro, e uma história impressionante que funde fantasia com a dura realidade social brasileira. Difícil ver algo tão interessante no cinema como As Boas Maneiras, que fica com louvor com a primeira colocação. Crítica AQUI; matéria com elenco AQUI.