'Arquivo Raridades', de Zeca Baleiro, é álbum enérgico, mas disperso

10/05/2018

Em 2017, o cantor e compositor Zeca Baleiro começou uma série de novos discos -- lançados apenas em streaming -- para resgatar composições e interpretações de sua carreira. Os dois primeiros serviram pra compilar duetos de Zeca com outros artistas, como Fagner, Zizi Possi e Chico Salem. Agora, o músico maranhense abre seu baú de interpretações perdidas no álbum Arquivo Raridades, lançado em todos principais serviços digitais.

 

De acordo com o próprio Zeca Baleiro, o álbum serve para trazer à público algumas canções que ficaram perdidas em ensaios, homenagens ou testes para trilhas sonoras de novelas. Ou seja: é um grande compilado de interpretações -- quase sempre ao estilo tradicional de Zeca -- que, na maioria das vezes, não chegaram a lugar algum. Duas delas, ainda, são músicas inéditas, nunca antes gravadas em um disco ou expostas ao grande público do cantor.

 

O álbum, porém, começa com um clássico: Baioque, de Chico Buarque. Com uma levada de rock'n'roll, ela ganha uma interpretação visceral de Zeca -- não é à toa que ela foi negada a fazer parte da novela de época Joia Rara.  É uma bela interpretação da canção de Chico e abre os trabalhos do álbum com o pé direito. No entanto, logo depois entra uma canção bem abaixo: Envolvidão, do Rael. Ainda que esbarre no que Zeca fez com Price Tag, ela não funciona muito bem na voz do maranhense e fica se atropelando em cima de uma melodia estranha.

 

Mas tudo bem: depois, Zeca emplaca uma trinca de interpretações que vão num crescendo de qualidade: A Estrada me Chama, feita para a série O Dia em Que Tornamos Terroristas, tem uma pegada folk interessante, mas uma letra esquecível. Respeita Januário, enquanto isso, é uma belíssima homenagem à Luiz Gonzaga que ganha uma roupagem interessante e que valoriza a cadência da canção. Boa releitura de um clássico inesgotável do baião nordestino.

 

Já a inédita Sonho de Consumo é o ponto alto do álbum. Deliciosa de escutar, ela lembra as canções mais recentes de Zeca -- além de reverberar em Vai de Madureira -- e pode ser, facilmente, um novo single do artista maranhense. É torcer para as pessoas descobrirem ou, então, que Zeca a coloque num álbum vindouro. Com certeza, ela merece um espaço de destaque.

Logo depois, porém, o álbum dá uma quebrada de ritmo estranha, indo dessas canções tão típicas de Zeca para interpretações intimistas e românticas demais. Chuva Fina, de Michael Sullivan, tem uma roupagem estranha de música romântica datada. Já Tarde de Abril é mais interessante. Foi feita exclusivamente para Roberto Carlos, mas ele a ignorou. A certeza que fica com a interpretação é de que ela encaixaria como uma luva na voz do Rei, mas destoa um pouco da de Zeca.

 

A canção mais estranha e que destoa totalmente do resto do álbum, porém, é Vocação, composição gospel do Padre Zezinho. Com ares tribais, ela tem uma letra óbvia e de rimas pouco inventivas. Diminui demais o ritmo do álbum. Não funcionou dentro do que estava sendo reproduzido até então -- ainda mais por suceder Armadilha, que é uma música que parece feita para Zeca.

 

As quatro últimas canções do álbum, no entanto, voltam a elevar a qualidade enérgica de Arquivo RaridadesPor Causa de Você é Tom Jobim puro e vai muito bem na voz de Zeca, que dá uma leitura óbvia para a canção, mas que funciona num todo. Logradouro, de Rafael Altério, parece feita por Zeca Baleiro. Ainda que falte uma instrumentação mais forte em alguns momentos, tem bom refrão, boa musicalidade e boa letra. Zeca precisa investir nela em outros álbuns.

 

O Chamado, sucesso de Marina Lima e que fez parte do repertório da turnê do show Era Domingo, é um clássico já marcado na voz da cantora e é difícil mudar a percepção geral. Mas Zeca consegue dar uma interpretação interessante. Já Ponto de Fuga, de Chico Maranhão,  fecha o álbum com chave de ouro, fazendo par com a abertura excepcional de Baioque.

 

No geral, Arquivo Raridades deixa claro os motivos de ser um lançamento digital. Ainda que enérgico, como é tradicional de Zeca Baleiro, as canções são dispersas demais e algumas das interpretações são destoantes -- como VocaçãoChuva Fina Tarde de Abril. No entanto, o álbum revela algumas boas músicas de Zeca e que deixam a torcida para que elas sejam aproveitadas novamente no futuro. Muitas deles tem potencial de sucesso garantido.

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Publicidade