• Matheus Mans

CCXP 2018: 'Disney não achou que seria comercial fazer filme de heróis', diz Shyamalan


M. Night Shyamalan é um dos cineastas mais marcantes de seu tempo. Ainda que tenha escorregado com bombas como O Último Mestre do Ar e Fim dos Tempos, ele tem conseguido se recuperar com boas surpresas autorais nos últimos anos com filmes como Fragmentado e A Visita -- voltando aos bons tempos de O Sexto Sentido e Sinais. Mas, ao ser questionado sobre a trilogia Corpo Fechado, Fragmentado e o vindouro Vidro, ele contou que a Disney não botou fé no apelo comercial do primeiro filme, protagonizado por Bruce Willis e Samuel L. Jackson, por ser história de super-herói.

"Não viam possibilidades num filme que parecia inspirado em história em quadrinhos. Em 2000, não era um tipo de história valorizada", contou o cineasta durante painel realizado na quinta edição da CCXP, evento de cultura pop e nerd que acontece até domingo, 9, em São Paulo. "Mas foi uma realização ter feito esse filme. Só de ter Bruce Willis como protagonista, estava feliz. Tinha feito alguns filmes medianos na Índia antes, que quase ninguém assistiu, e logo depois estava dirigindo um ídolo meu. Tinha pôster de Duro de Matar na parede do meu quarto", disse, referindo-se ao filme de Willis.

Sobre a inspiração para criar heróis fincados na realidade, Shyamalan mostrou inspiração em alguns dos ídolos dos quadrinhos hoje em dia. "Stan Lee, quando criou os heróis da Marvel, ele se inspirou em algo de sua realidade. Eu também ao escrever Corpo Fechado", disse o cineasta. "Para o personagem do Sr. Glass, peguei a inspiração nas pessoas com ossos de vidro. O Bruce Willis é o contrário dele, forte e muito resistente. Já para o personagem de McAvoy, em Fragmentado, me inspirei e fiz muita pesquisa sobre Transtorno Dissociativo de Identidade, quando a personalidade da pessoa se divide em duas ou mais. Até aspectos físicos da pessoa são alterados."

No novo filme do cineasta, que tem estreia prevista para 18 de janeiro de 2019, o diretor reúne personagens dos outros dois filmes 18 anos após o lançamento do longa-metragem inicial. "Toda vez que eu encontrava o Samuel L. Jackson, ele me perguntava: 'e aí, mother fucker, quando vamos fazer a sequência desse filme?'. E eu sempre respondia que logo. Quando fiz Fragmentado, Samuel não sabia da conexão com Corpo Fechado. Chamei ele pra fazer a sequência e ele topou na hora. Bruce Willis também", diz. "Já pensava em contar toda a história da trilogia desde o primeiro filme. Estava só esperando o momento certo."