top of page
Buscar
  • Foto do escritorMatheus Mans

Crítica: 'O Mistério de Maya', da Netflix, é filme de forte carga emocional


De cara, O Mistério de Maya, lançamento da Netflix nesta segunda-feira, 19, pode parecer mais um daqueles filmes de true crime da plataforma. Sobre um desaparecimento, um serial killer ou qualquer coisa assim. Mas não: o longa, que poderia ter um título mais assertivo, fala sobre um caso desesperado e revoltante envolvendo indústria da saúde e um erro médico imperdoável.


Dirigido pelo estreante Henry Roosevelt, O Mistério de Maya acompanha a história da jovem Maya Kowalski. Norte-americana, ela foi diagnosticada quando criança com uma doença rara que provoca dores locais insuportáveis — além de diminuir consideravelmente sua capacidade de locomoção. Os pais de Maya, porém, fazem de tudo para curar essa doença e topam fazer um tratamento experimental e arriscado no México. Mas surpresa: Maya logo melhora.


Só que, um tempo depois, Maya começa a sofrer com uma dor de barriga muito forte. Será a doença voltando? Ela, junto com os pais e o irmão mais novo, vão para um hospital da região para que ela seja devidamente medicada. E é aí que tudo dá errado. Os médicos desse local dizem que a garota não tem doença alguma e que tudo é instigado pela mãe, Beata Kowalski. Tiram a guarda dos pais, deixam a menina no hospital e ela deixa de tomar seus medicamentos.

Aos poucos, a coisa vai deteriorando até chegar em um ponto trágico, catastrófico. Roosevelt, que conta a história toda de maneira bastante linear, é comedido na forma de filmagem: evita grandes artifícios com sua câmera, coloca uma fotografia mais escura e, enfim, deixa que a história choque por si só. Ele sabe, no final das contas, que não precisa de qualquer tipo de pirotecnia visual para impressionar. A história, por si só, já é uma enxurrada de emoções.


Há, por limitações da própria história, uma falta de dinamicidade em O Mistério de Maya. Apenas o pai da garota conta a história, com algumas imagens da rotina familiar, algumas poucas cenas de arquivo e gravações de áudio. Acaba sendo um filme engessado não exatamente por falta de iniciativa da direção, mas mais por conta da seriedade do que está sendo contado. É como se fosse uma matéria jornalística em um grande noticiário: não tem como inventar muito nisso.


Só no final que uma questão complicada, de decisão de produção e distribuição, surge: a história não está completa. Há pendências a serem resolvidas pela família Kowalski, provavelmente agora no final de 2023. A história fica incompleta. É claro que o espectador também fica com uma sensação similar da família, sentindo impotência e uma dificuldade em encerrar ciclos. Mas a Netflix poderia ter esperado mais pra entregar o filme completo, com a trama fechada.


De qualquer forma, O Mistério de Maya é um filme forte, revoltante, desolador. Difícil não sentir uma profusão de sentimentos apenas pela força da história em si, que toma conta do documentário e, sem qualquer tipo de complicação visual, é contada de forma linear, comportada e, ainda assim, eficiente. É, afinal, uma tragédia quase clássica, com toques kafkianos, em que o Estado se mete onde não é chamado — e ninguém sabe como escapar.

 

3 comentários

3 Kommentare


Luciana Tavares
Luciana Tavares
21. Juni 2023

Eu assisti e fiquei impactada,revoltada e desolada com tanta atrocidade cometida pelo Estado americano contra essa família, é um documentário que deve servir de exemplo para que não aconteçam mais essas injustiças,tomara que não fique impune esse crime pois essa família nunca mais será a mesma.

Gefällt mir

Sabrina Martins
Sabrina Martins
20. Juni 2023

Não acho que a Netflix errou e publicar antes do desfecho final. Pelo contrário isso é muito bom pqe temos que fazer barulho mesmo, o estado precisa ter mais competência . Estão marcando vidas e não apenas julgando !

Gefällt mir
Yany Carrasco
Yany Carrasco
03. Juli 2023
Antwort an

Pensei a mesma coisa.. mais provas e apoio vão conseguir com o documentário agora público... é revoltante assistir tanta injustiça!

Gefällt mir
bottom of page