Buscar
  • Matheus Mans

Crítica: 'The Rescue' é documentário certeiro no Oscar 2022


Foi justamente durante a Copa do Mundo de 2018 que um time de futebol de base, na Tailândia, resolveu dar um passeio numa das muitas cavernas desse país asiático. No entanto, o que era para ser um passeio de apenas algumas horas, se tornou um drama de dias. O motivo? A caverna alagou e as crianças e adolescentes do time de futebol ficaram presas ali na caverna.


Essa é a história de The Rescue, documentário exibido no Festival de Toronto 2021 e ainda sem data de estreia no Brasil. Dirigido pela dupla Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi, do excelente e oscarizado Free Solo, o longa-metragem traz imagens de arquivo, com algumas boas recriações de cenas desse resgate, para mostrar como foi para salvar esse time juvenil.


É um filme potente, que traz novos olhares para esse momento angustiante da História. É tenso acompanhar o desespero das pessoas na superfície buscando maneiras, ideias e possibilidades para tirar essas crianças e adolescentes de uma morte quase certa. Assim como Free Solo, o público sente a tensão atravessando a tela, com as emoções explodindo para além dos vídeos.

Há alguns errinhos de condução, porém, que acabam atrapalhando o resultado final. Primeiramente, a total falta de protagonismo dos tailandeses nessas buscas dentro das cavernas. Ainda que tenha um ou outro depoimento de soldados tailandeses, as crianças e adolescentes da caverna são silenciados, assim como os pais. Cadê a história dessas pessoas?


Tudo bem que o filme, como o próprio título diz, fala sobre o resgate. Mas oras, não poderiam ter colhido depoimentos do time de futebol e dos pais sobre como estava a tensão entre eles, assim como a emoção do encontro com os mergulhadores britânicos? Focar apenas no depoimento desses europeus, em uma tragédia da Tailândia, é mais um processo de apagamento histórico.


Erro grave de Jimmy Chin e Elizabeth Chai Vasarhelyi. Ainda assim, porém, é quase certo que The Rescue deve passar pelas principais premiações da temporada 2022 -- como Oscar e afins. Provavelmente não terá a mesma força de Free Solo, que entrou como azarão e acabou conquistando os votantes. Mas, pela boa reação no TIFF, deve traçar uma trajetória interessante.


0 comentário