• Matheus Mans

Crítica: 'Uma Segunda Chance Para Amar' é filme fofinho de Natal

Atualizado: 12 de Dez de 2019


Comédias românticas parecem formar um par perfeito com o Natal. São dezenas de filmes que misturam o subgênero com a data comemorativa, como A Princesa e a Plebeia, O Príncipe do Natal, Revivendo o Natal, dentre outros. Agora, chega mais um longa promovendo essa mistura: o fofinho e musical Uma Segunda Chance Para Amar.

Dirigido por Paul Feig (Um Pequeno Favor, Caça-Fantasmas), o filme conta a história de Kate (Emilia Clarke), uma jovem inglesa cuja vida é uma bagunça e que trabalha como elfo numa loja temática de natal o ano todo. Mas quando ela conhece Tom (Henry Golding), ela começa a ver a vida de outro jeito e a sentir um sopro de esperança.

Todo inspirado em músicas do talentoso George Michael, o longa-metragem tem um clima natalino típico, cheio de momentos inspiradores e uma comédia simpática -- bem longe do que Feig fez em filmes como Missão Madrinha de Casamento, por exemplo. Há sutiliza em todos os gêneros que se misturam e que criam algo realmente especial.

Clarke, como já tinha mostrado em Como Eu Era Antes de Você, sabe dar o tom da comédia, do romance e do Natal. Totalmente diferente do que foi visto durante anos em Game of Thrones, a atriz britânica entrega carisma e esbanja simpatia. Pena, porém, que continue a cair no caricato em alguns momentos. Ela precisa acertar a dose.

Henry Golding (Podres de Ricos), Michelle Yeoh (O Tigre e o Dragão) e Emma Thompson (Um Ato de Esperança) também complementam bem o elenco -- com destaque para esta última, que também assina o roteiro e entrega uma personagem fora do seu usual.

O grande acerto do filme, porém, está presente em dois aspectos. O primeiro é a trilha sonora, toda baseada em músicas de George Michael e da banda Wham!. É excelente o trabalho de recuperar e resgatar a memória do público para as músicas do cantor, morto no dia de Natal de 2016. Destaque, principalmente, pra chiclete Last Christmas.

O outro aspecto é uma reviravolta que acontece, perto do fim. Apesar de inverosímel e um pouco óbvia, ela é bem sacada e traz uma emoção diferente para a conclusão do longa-metragem. Pode desagradar um grande número de pessoas, é claro. Mas, no geral, explora um lado diferenciado das comédias românticas. Agrada, no geral.

Assim, Uma Segunda Chance Para Amar é um filme fofinho, bem natalino, e que cumpre sua missão. Há imperfeições, como os excessos de Clarke e os problemas na reviravolta -- ainda que seja um plot twist positivo. Mas assistir esse filme com a pessoa que você gosta, envolto no abraço quentinho, pode ser uma das melhores opções pro fim de ano.

#Crítica #Cinema #Filme #Comédia #Romance