Buscar
  • Matheus Mans

Novo filme de Clint Eastwood e ‘Medo Profundo’ chegam aos cinemas


Na primeira semana de estreias após a cerimônia do Oscar, fica claro como as coisas estão voltando para o que eram. Dentre as principais estreias, temos um filme de tiro, porrada e bomba com Liam Neeson; um longa-metragem B com tubarões e um punhado de filmes de outros países. Além, claro, da volta de Clint Eastwood para a direção numa produção sobre um ato terrorista.

É muita coisa boa -- e muita coisa boa de tão ruim -- pra uma única semana. Por isso, o Esquina separou os principais lançamentos e, como sempre, mostra aqui o que a imprensa diz sobre cada uma das estreias. Além disso, se você clicar no título em azul e negrito de cada um dos filmes, será redirecionado para a página do IMDb para mais informações sobre cada produção.

15h17: Trem para Paris

Nova produção de Clint Eastwood (Sniper Americano), 15h17: Trem para Paris recria a tentativa de um atentado terrorista que é impedido, claro, por três soldados americanos. O barato do filme é que Clint chamou os próprios soldados pra refazerem seus passos. A imprensa, porém, não gostou muito do resultado. O Observatório do Cinema disse que "o ápice do filme está nas cenas finais, impulsionada por uma câmera convulsa que pouco tem a dizer sobre a situação". Já o Telerama foi mais pesado: "é incrivelmente anedótico, superficial, com personagens vazios e mal interpretados".

Medo Profundo

Mais um filme de tubarão. Dessa vez, duas irmãos vão explorar um habitat das feras aquáticas e acabam presas no fundo do mar. O The Playlist não poupou críticas para o filme de Johannes Roberts (Do Outro Lado da Porta): "Medo Profundo explica tudo demais, exceto seus buracos na trama". E o CinePop, por mais estranho que isso seja, gostou do resultado do longa-metragem. "O filme tem um fotografia belíssima e uma direção muito segura e competente", diz o editor Renato Marafon.

Daphne

Daphne, que dá nome ao filme, é uma mulher que não sabe o que fazer da vida: aos trinta anos, se acha nova demais para ficar em casa e arranjar um namorado, mas se acha velha demais para sair zoando por aí. O resultado é a inevitável "crise dos 30". O Esquina gostou do resultado, apesar de achar que alguns aspectos do filme poderiam ser melhorados. "A direção e a atriz principal acertam em cheio em seus maiores desafios, mas o roteiro é cíclico demais", afirma o editor Matheus Mans. O Papo de Cinema foi pelo mesmo caminho. "Daphne demonstra sensibilidade ainda que durante boa parte de seu transcorrer insista em oferecer aquilo que já sabemos de antemão", disse.

O Passageiro

Outro filme que coloca Liam Neeson metendo a porrada em todo mundo. Aqui, ele aceita um desafio dentro de um trem de passageiros que pode colocar a vida de todos -- incluindo a dele -- em risco. Aqui no Esquina, ressaltamos que o filme é genérico, mas conta com bons e divertidos momentos. "Há uma cena em que Liam Neeson usa uma guitarra para lutar contra um homem armado. Aí vi que o filme valia a pena para dar muita risada", disse. O Screen Rant concorda. "O Passageiro é um suspense desengonçado e cheio de clichês, mas também é divertido graças ao talento de Liam Neeson", disse.