Buscar
  • Matheus Mans

3 motivos para ler 'A Megera Domada', de William Shakespeare


1. A história é divertida, feita para dar gargalhadas


Esta é uma das histórias mais leves e espirituosas de William Shakespeare, o maior escritor de língua inglesa da História. Afinal, acompanhamos a jornada de um grupo de homens que faz de tudo para conquistar o amor da donzela amada. No entanto, antes de conquistá-la, eles precisam que alguém conquiste amor da irmã mais velha da tal mulher amada -- uma megera, como o título sugere. Assim, a partir disso, vemos uma história de época, com todas as características da elite retratada por Shakespeare em suas peças, que se desenvolve a partir de uma comédia de erros, absurdos e abusos, todos muito bem dosados na trama bem-humorada.


2. É a porta de entrada ao universo de William Shakespeare


Se você não leu nenhuma obra de William Shakespeare antes, A Megera Domada pode ser uma boa maneira de conhecer a obra do autor britânico. Afinal, a leitura é leve, a história evolui com força e é difícil não ficar fascinado pela maneira que o escritor conduz a história pelos meandros do romance inesperado e o outro aguardado. Aqui, também é possível conhecer os já tradicionais personagens de Shakespeare, sempre com características muito bem definidas, e que possibilitam um mergulho à narrativa do escritor britânico e toda sua qualidade narrativa. Destaque para a edição da Editora Brasil, em destaque na foto, com uma linguagem atualizada.


3. Nos faz pensar sobre mudanças e a sociedade hoje


Apesar de ser leve, bem-humorada e divertida, a história de A Megera Domada é fruto de outros tempos -- no caso, para ser mais específico, de 1594, quando a obra foi publicada pela primeira vez. Por isso, não dá para esperar que essa história seja coerente com o que a sociedade faz e pensa hoje em dia. Há machismo, há relacionamentos sujeitos a trocas de dinheiro, as mulheres não têm voz realmente ativa -- ainda que a tal "megera" seja dona do próprio nariz em vários momentos. Por isso, A Megera Domada é uma boa oportunidade para pensarmos como o mundo evoluiu, se transformou e também, de fato, o que ainda permanece nessa sociedade obscura.

#Crítica #Resenha #Livro #Literatura #LiteraturaClássica