Buscar
  • Matheus Mans

Resenha: 'Além do Planeta Silencioso' é livro criativo e marcante de C. S. Lewis


Tive a felicidade de encontrar Além do Planeta Silencioso em um sebo. Ao começar a leitura, notei que havia uma dedicatória, escrita em belas letras, dizendo: “Boa Viagem com Ransom”. Apesar de não me chamar Adriano, que é para quem a frase foi dedicada, tomei os dizeres para mim e embarquei de cabeça no livro. E foi uma viagem mais que boa, como recomendada pelo meu interlocutor desconhecido. Foi fantástica. Neste livro, C. S. Lewis mostra todo o talento da sua escrita e de imensa criatividade.


A história é sobre Elwin Ransom, um filólogo que acaba, por acidente, entrando no jardim de um antigo conhecido da escola. Esse conhecido acaba por capturar Ransom, levando-o para uma viagem cósmica para conhecer um novo planeta: Malacandra. Chegando lá, o filólogo acaba por conhecer uma sociedade de animais excêntricos e que se baseiam em uma ordem social muito interessante.


Apesar da história com seus ares fantásticos já ser algo suficientemente bom, C. S. Lewis vai além. Além do Planeta Silencioso faz parte de uma trilogia, a Trilogia Cósmica, e foi escrita antes e durante os acontecimentos da Segunda Guerra Mundial. Munido dessa informação, descobre-se que a narrativa do escritor irlandês não é apenas um exercício de ficção científica ao estilo de H. G. Wells. É muito mais. A história é uma verdadeira alegoria para o que estava acontecendo em 1938, ano em que o livro foi escrito.

Em 1938, pipocavam governos totalitários na Europa e uma guerra era eminente. Lewis conseguiu traduzir para a obra todo o temor que a sociedade vivia de uma forma fantástica. Ransom fica abobalhado com o fato de não existir uma ordem de superioridade entre raças alienígenas de Malacandra, mesmo algumas sendo pouco culturalmente desenvolvidas. É uma verdadeira alfinetada do escritor e que se desenvolve ao decorrer de toda a trama, chegando ao momento em que Ransom descobre, de fato, quem é o ser menos desenvolvido: o próprio ser humano.


Além disso, preceitos bíblicos, tão presentes em As Crônicas de Nárnia, livro mais conhecido de Lewis, também são colocados na obra através de suas alegorias. Críticas ao sistema de colonização também são discutidos da maneira habitual do escritor. Tudo de maneira sutil, mas muito perceptível.


Obviamente, deve-se também se ater ao estilo de escrita de Lewis. A descrição dos personagens e de cenários é o ponto alto da obra. Consegue-se entrar totalmente no universo proposto pela obra. Sentia como se estivesse, de fato, andando em um universo com uma gravidade menor e com as criaturas inventadas por Lewis.


Enfim, Além do Planeta Silencioso é uma ótima obra para os fãs de Nárnia e para os que apreciam uma história que possua algo a mais que a simples narrativa. É uma história aparentemente simples, mas que se revela como algo muito maior.

#Resenha #Livro #Literatura #Crítica

0 comentário