• Matheus Mans

Resenha: 'Laços de Família' é livro poderoso de Clarice Lispector


“A uma coisa bonita faltava o gesto de dar. Nunca se devia ficar com uma coisa bonita, assim, como que guardada dentro do silêncio perfeito do coração”

Enquanto lia apenas seus romances, achava Clarice uma boa escritora. E só. Não conseguia compreender a intensidade de suas palavras, por isso comecei a deixar de ler seus livros. Porém, um dia caiu em minhas mãos Laços de Família. Comecei a leitura um tanto quanto reticente. No decorrer da leitura, comecei a me encantar por Clarice e, finalmente, percebi o quão brilhante é sua obra.


Laços de Família é uma coletânea de treze contos que relatam momentos do cotidiano, aparentemente banais, mas com um aprofundamento psicológico extremamente denso e intenso e que provocam ao questionar a instituição familiar, os relacionamentos, a mulher na sociedade. E o que mais engrandece toda a obra é a simplicidade, que transita entre a literatura psicológica e introspectiva.


Todos os acontecimentos narrados nos contos poderiam acontecer a qualquer um. São coisas corriqueiras, mas com os famosos instantes de epifania que a autora emprega em quase todas suas obras. Isso acaba deixando a obra ainda mais impactante, principalmente ao se colocar no lugar das personagens. Além disso, vale ressaltar a atemporalidade de todas as histórias. Algumas, como O Jantar, foram escritos na década de 1940. Quase 20 anos antes da publicação. Hoje, 80 anos depois, os contos continuam cabíveis ao nosso cotidiano.


Além do livro como um todo, vale ressaltar alguns dos contos, que se destacam em meio a pérolas da literatura brasileira. O primeiro que me saltou aos olhos foi Amor. O conto narra um momento epifânico de Ana, ao ver um cego mascando chiclete no ponto do bonde. O absurdo da situação e do motivo de sua epifania cria toda uma magia em torno da história, causando uma intensa reflexão acerca dela.


“O bonde se sacudia nos trilhos e o cego mascando goma ficara atrás para sempre. Mas o mal estava feito.”

Em seguida, o famosíssimo Uma Galinha. Um de meus contos brasileiros preferido. Narra a fuga de uma galinha, que anseia em salvar sua vida de um homem que pretende matá-la para servir de alimento à sua família. A aparente simplicidade da história, na verdade, esconde uma verdadeira lição feminista, segundo algumas das teorias que envolvem o conto.


“Se fosse dado às fêmeas cantar, ela não cantaria mas ficaria muito mais contente.”

E, por fim, Feliz Aniversário. Ele conta a história da festa de aniversário de uma anciã, que observa, praticamente calada, seus parentes comemorando os oitenta e nove anos da aniversariante. Achei extremamente angustiante e de uma profundidade estupenda. Um dos contos que mais me abalaram, durante a leitura. Uma triste realidade em várias pessoas. É o conto que, quando terminado, faz com que se indague o sentido da vida humana.


Enfim, Laços de Família é um ótimo livro e que propicia uma entrada perfeita para quem ainda não entrou no mundo de Clarice. E para quem já entrou, este é um livro indispensável para admirar ainda mais essa genial escritora.

#Resenha #Crítica #Livro #Literatura