• Bárbara Zago

Resenha: ‘O Amor Não Dói’ é livro necessário de empoderamento feminino


Conhecida pelo seu sucesso em Casos de Família, Anahy D’Amico reúne conhecimento, experiência profissional e vivências pessoais  em seu novo livro O Amor Não Dói. Mais do que nunca fala-se em relacionamentos abusivos e o papel da mulher na sociedade, assunto que a psicóloga traz de maneira intuitiva e prazerosa de ler.


O título é autoexplicativo: uma relação saudável não é feita de sofrimento. Durante todo o livro, Anahy retoma motivos culturais que fizeram com que a mulher ocupasse o papel de dona de casa, mas constantemente pontuando os problemas implicados nisso. A fantasia da princesa isolada que espera seu príncipe lhe salvar não serve mais nos moldes atuais. 


A leitura é rápida e simples. Ainda que Anahy seja psicóloga, foge de qualquer linguagem mais complexa que impediria a compreensão do leitor leigo. Mais do que isso, a temática do livro é muito próxima da realidade, especialmente para as mulheres. A proposta, mais do que informar, é justamente provocar uma reflexão e, se necessário, uma mudança. 


Socialmente, temos poucas referências do que é um relacionamento saudável. Muitas vezes o ciúmes é vendido como uma forma de carinho e proteção, enquanto, na maior parte, nada mais é do que uma manipulação e um abuso psicológico. Anahy aponta os cinco diferentes tipos de abuso segundo a Lei Maria da Penha (psicológico, moral, sexual, físico e patrimonial) e os exemplifica para o leitor se apropriar disso – e perceber como, infelizmente, é algo mais presente do que gostaríamos. 


Confesso que a leitura do livro é mais indicada ao público feminino por trazer vivências e casos vividos por mulheres, ainda que a autora deixe claro que não são só as mulheres que estão sujeitas à relacionamentos abusivos. Todavia, ela destrincha o papel da mulher na sociedade e a empodera. 

#Resenha #Crítica #Livro #Psicologia #Literatura