Buscar
  • Matheus Mans

Resenha: 'Tarzan' é livro surpreendente que vai além dos filmes


A editora Zahar relançou no Brasil uma série de clássicos da literatura em edições muito bem produzidas, com ótimas ilustrações e uma nova tradução. Tive a satisfação de ler alguns deles, como foi o caso de O Mágico de Oz e Peter Pan. São histórias que fizeram parte da minha infância através de adocicadas adaptações cinematográficas e que, ao me deparar com o livro, surpreenderam pelo alto teor de reflexões sociais escondidas em suas páginas.


Porém, recentemente, tive contato com a nova edição da história de Tarzan. E com ela, a surpresa que senti durante a leitura dos outros clássicos se mostrou pequena, tamanha a beleza da história de Burroughs sobre o garoto-macaco. Ela mostra ser muito mais importante perante as dezenas de adaptações cinematográficas que tanto conhecemos, como é o caso dos filmes produzidos pela Disney.


Devido aos filmes do personagem, tinha como imagem, até então, do Tarzan sendo um homem sobrevivente e que conseguiu se adaptar aos acontecimentos de sua vida. Criado por sua mãe-macaco Kala, vivia inúmeras aventuras com o elefante Tantor e a macaquinha Terk. Apesar da criação exótica, mantinha alguns ares de humanidade em sua ética própria, deixando a animosidade de lado em muitos momentos. Porém, a história no livro não é tão alegre e colorida como conhecemos.


Através de uma narrativa interessante, que consegue prender o leitor ao fim de cada capítulo, Burroughs apresenta uma trama densa, na qual Tarzan busca a sobrevivência na selva a todo custo. Tantor e Terk (que no livro é Terzok, um macho) são rebaixados ao plano de fundo, enquanto Kala mostra ser o único alicerce do personagem, fazendo com que mantenha a vontade do personagem em alta. Parece ser por ela que o rei das florestas caça, luta com animais ferozes e busca um sentido para sua vida.

Vemos, ao decorrer das páginas, inúmeras batalhas e mortes sangrentas contra outros animais que retratam, de maneira perfeita, como seria a vida de um homem na selva. A história, em pouquíssimas páginas transcorridas, mostrou-se como sendo totalmente diferente do que estava acostumado a ver no cinema e em outras adaptações. Revelou-se, então, um novo Tarzan. Um Tarzan mais real, mais sofrível e palpável. Enfim, um Tarzan impecável.


Digo que o personagem na obra é impecável, pois, durante a leitura, inúmeras questões são colocadas para uma reflexão por parte do autor. Ele não é apenas o homem-macaco. Além disso, pode-se fazer uma série de paralelos com outras obras. Por exemplo: vemos Tarzan evoluir de um estado totalmente animalesco para uma possível reabilitação social em pouquíssimas páginas. É quase a evolução do macaco para o homem proposta por Darwin no A Origem das Espécies. É genial. Outras questões, como a relação com outras etnias, a espécie de exclusão social sofrida pelo personagem por ser diferente...


A psicologia dos personagens também é admirável. O autor, em poucas palavras, consegue criar características pertinentes a cada espécie de animal. Sabemos como se porta a terrível e assustadora leoa, o sonso e forte javali, além dos personagens humanos que conheceremos em seguida, como é o caso de Jane e do engraçadíssimo Mr. Porter. Burroughs tem o dom de criar laços com seus personagens através de uma descrição direta e certeira de cada um deles.


A única coisa que poderia se tornar um ponto negativo é o racismo que, por muitas vezes, é colocado de maneira explícita. A personagem Esmeralda, por exemplo, parece uma caricatura de ser humano muitas vezes. Porém, não considerei o ponto como totalmente negativo. Afinal, a história foi escrita em 1912 e as pessoas tinham outra visão. Apesar de incomodar muito em alguns momentos, é algo que pode ser usado como ponto de partida para uma reflexão maior.


No geral, Tarzan mostrou ser uma grata surpresa. Suas páginas possuem reflexões interessantíssimas e que mostram o quão pouco aproveitada a história foi até agora. Além disso, vale ressaltar que o final é sensacional, trazendo uma curiosidade infinita ao leitor quanto às continuações da saga. Recomendo veementemente a leitura deste clássico, que abrirá a mente de todos sobre o incrível personagem que é Tarzan.

#Resenha #Crítica #Livro #Literatura

0 comentário