• Matheus Mans

Resenha: 'Uma História de Solidão' trata de temas difíceis com leveza


'Uma História de Solidão', de John Boyne / Foto: Matheus Mans

O tema de pedofilia na Igreja está em alta no cinema e na literatura. Em 2015, por exemplo, dois filmes trataram do assunto: o ótimo e "oscarizado" Spotlight e o imperdível filme chileno O Clube. Em 2019, foi a vez do francês Graças a Deus. Agora, o tema de padres pedófilos chega aos livros pelas mãos de John Boyne, o consagrado autor de O Menino do Pijama Listrado. Em Uma História de Solidão, Boyne acompanha a vida de Odran Yates, em diferentes fases de sua vida. Começa com o tímido garoto que é forçado a seguir o caminho eclesiástico depois que a mãe tem uma visão. Seguido, também, pela vida dentro do seminário, onde Yates cria fortes laços de amizade com Tom Cardle, um jovem rebelde e obrigado a cursar o seminário. Além da juventude de Odran, Boyne narra passagens quando ele já está formado como padre e tendo que enfrentar o grave problema que citei acima: a pedofilia nos bastidores da Igreja.

“Lembre-se, meu jovem amigo, a vida é fácil de narrar, mas atordoante de se praticar.”

O tema, obviamente, não é nem um pouco leve e fácil de ser tratado. É denso, intenso, complexo. E Boyne consegue fazer com que tudo seja tratado de uma maneira um pouco mais leve, apesar do tema ainda assombrar e assustar -- algumas cenas, mesmo que delicadas, têm impacto. Além disso, o autor irlandês consegue dar um desenvolvimento complexo e humanizado para os personagens, principalmente para Odran. Ao trafegar por diversas camadas e momentos de sua vida, Boyne consegue desnudar o interior do personagem. A cada página virada, uma camada da psicologia de Odran era desvendada e o personagem, aos poucos, vai se revelando desafiador. Com esse trunfo em mãos, Boyne oferece um final intenso e muito bem elaborado. É surpreendente, apesar de várias pistas ao decorrer do romance indicarem tal acontecimento. É perturbador e toda a leveza empregada pelo autor ao decorrer do livro ajuda a causar ainda mais espanto no leitor. É necessário, para que esse tema seja cada vez mais e mais debatido.

#Resenha #Livro #Literatura #Crítica