Buscar
  • Matheus Mans

Resenha: Últimos contos de 'Pela Janela de Casa' mostra diferenças de realidade


Ao longo de junho e julho, aqui no Esquina, falamos maravilhas sobre o projeto de contos da Planeta de Livros sobre a quarentena no País. Foram cinco contos no total que reimaginaram os desafios, dificuldades e oportunidades encontradas durante tempos de isolamento social. Agora, duas novas histórias finalizam o projeto e consolidam os passos no "Pela Janela de Casa".


Abaixo, confira detalhes dessas duas últimas histórias e o que achamos de cada uma delas:


Reflexos do passado


Nesta nova e última leva de contos do Pela Janela de Casa, dá para sentir um clima diferenciado em relação aos anteriores. Aqui, se fala muito mais sobre impactos indiretos na vida das pessoas do que qualquer outra coisa. É o caso do interessante Reflexos do Passado, livro escrito por Paola Aleksandra -- dona de um dos maiores canais de livros do Brasil, o Livros & Fuxicos.


Aqui, Aleksandra coloca a história de uma mulher grávida sob a perspectiva da pandemia. Ainda que ela não esteja pessoalmente afetada, de uma maneira intensa ou muito pessoal, a protagonista acaba tendo que lidar com duas situações. A primeira é a gravideza que precisa atravessar sozinha para evitar contaminação. A outra é a morte de uma pessoa do seu dia a dia.

A partir disso, a autora fala sobre sentimentos, dores, reflexões e novas perspectivas. No entanto, sempre com um olhar no passado. Mais especificamente, no caso, no passado da avó, que teve um papel atuante no combate à Ditadura Militar no Brasil. Traçando relações e ligações entre as duas situações, a autora faz um passeio de redescoberta da própria identidade.


Ainda que um pouco cansativo no seu desenrolar, Reflexos do Passado é um dos livros mais acertados e com uma das proposições de reflexão mais inventivas dessa leva de contos. Traz novos olhares, novas percepções e, principalmente, situa o autor no presente ao olhar para o passado. Entrou no top 3, sem dúvida alguma, dos melhores contos de Pela Janela de Casa.

Sonhos interrompidos


Sonhos Interrompidos, conto de Gisela Bacelar e Bruna Ceotto, traz um olhar para um tempo importantíssimo: a desigualdade social que se acentuou durante a pandemia do novo coronavírus. Aqui, as duas autoras colocam dois personagens sob perspectiva: Alissa, uma youtuber de maquiagem de sucesso; e Miguel, um rapaz pobre que tenta ser ator.


A partir dessas duas realidades quase que opostas, Gisela e Bruna versam sobre temas caros ao grande público e ao debate que se formou e se intensificou com a pandemia. Para isso, se aprofunda sobre essas duas realidades e, de alguma forma, mostra os caminhos diferentes que elas seguem. Ambas possuem seus percalços, mas é interessante notar as várias nuances.

Uma pena, porém, que as autoras acabem apostando num discurso sentimental demais no final do conto. O tom fica exagerado e o sentimentalismo é jogado na cara do espectador. Faltou um pouco mais de cuidado na forma como as coisas são levadas aqui. Afinal de contas, com a conclusão das histórias, fica a sensação de que essa diferença social não ganha novos olhares.


É um conto importante, sim, dentro da lógica e do proposto pelo projeto Pela Janela de Casa. No entanto, é uma pena que acabe fugindo demais em sua ânsia por emocionar e comover. Uma história sobre isso, mas com emociona nos gestos, nos silêncios e nas palavras poderia ser melhor. Da forma que ficou, tudo ficou passageiro demais, simples demais. Uma pena, de fato.

#Livros #Contos #Resenha #Literatura #PelaJaneladeCasa